Nando Reis apresenta “Drês” em São Paulo

Terminou no último domingo a série de três shows em São Paulo da turnê “Drês“, de Nando Reis e a banda Os Infernais. Para quem não conhecia muito do cantor, como eu, o show foi surpreendente.

A primeira metade trouxe músicas mais pesadas, com a banda Os Infernais mandando bem ao lado do cantor. No final da primeira metade do show, vem talvez a parte mais emocionante do espetáculo, quando Nando toca canções dedicadas à sua mãe (“Conta“) e sua filha Sofia (“Só pra So“). Do meio para frente, Nando toca as músicas mais conhecidas do público, que canta e pula em praticamente todas as canções.

Um dos pontos altos do show foi a participação da cantora Ana Cañas em “Pra você guardei o amor“, com a platéia cantando durante boa parte da música. Você pode assistir ao vídeo da apresentação da dupla abaixo:

A casa de espetáculos Citibank Hall, em Moema, estava cheia para a apresentação do último domingo. Mas não cheia o bastante para incomodar quem estava na pista. Durante o show, Nando Reis é acompanhando de Carlos Pontual (guitarra), Alex Veley (teclados), Felipe Cambraia (baixo) e Diogo Gameiro (bateria). Agora o cantor segue em turnê por Minas Gerais e ainda não tem data marcada para voltar a São Paulo.

Foto de Christian Rôças (GrudaemMim) no Flickr do cantor.

“Disclaimer”: fui ao show a convite da produção do cantor.

A estação de metrô é uma pechincha!

A notícia vem de Nova York, direto do nosso “ex-blog mãe”, o Gothamist. A Autoridade Metropolitana de Transportes (ou M.T.A. na sigla em inglês) conseguiu finalmente concluir a venda dos direitos sobre o nome de uma estação de metrô da cidade. A partir de 2012, a estação atualmente conhecida como Atlantic Avenue-Pacific St. passa a ser “Estação Barclays” (sim, o Banco Barclays “comprou” o nome da estação!)

A MTA, que gerencia todo o sistema de transportes de Nova York, vai receber US$ 200 mil dólares por ano para ceder o nome de uma de suas estações ao banco londrino. Em época de crise, ter US$ 200 mil por ano, durante vinte anos, até que não é um mau negócio. Mas até que ponto esse tipo de transação afeta o cotidiano da cidade?

Vamos imaginar a mesma situação em São Paulo. Digamos que o governo do Estado decida vender o nome de alguma estação para a iniciativa privada. Qual estação seria a primeira a parar nas mãos de alguma empresa? Imagina combinar um ponto de encontro na “estação Banco do Brasil”? Eu não aprovo, e você?!

Foto no Flickr do @MSG

Todo carnaval tem seu fim

carnaval_do_athos

São Paulo 40 graus!

O paulistano nunca está feliz com o clima na cidade. Quando esfria, ele reclama. Quando chove, ele reclama das enchentes. Quando o ar fica seco, reclama do nariz ardendo. E agora, nesta onda de calor, reclamamos também!

Segundo o Centro de Gerenciamento de Emergências, várias estações de medição registraram temperaturas de 35º nesta tarde, um novo recorde para a cidade. Ontem, de acordo com o G1, a temperatura registrada pelo Inmet, 34,1ºC, não foi apenas a mais alta do ano na capital paulista: desde que o Inmet começou a fazer medições na cidade, em 1943, nunca se registrou uma temperatura tão alta com esta em um mês de março.

Com o clima abafado e a falta de ventos, a sensação térmica nas áreas mais povoadas da cidade chega a causar mal estar e tonturas. Flagramos este termômetro de rua na região da Vila Mariana marcando 40º… QUARENTA GRAUS!!! Como diria o amigo Lucasof, a Zâmbia é aqui!

sp-40-graus

E você? Ainda não acredita em aquecimento global?

Dr. Arnaldo vai de skate

Zilda_Natel_Do_Athos

 Tem parque novo na área. O Zilda Natel, inaugurado dia 15 ali na esquina da Av. Dr. Arnaldo com a Rua Cardoso de Almeida, em Perdizes (zona oeste), abriga a maior pista pública para prática de skate em São Paulo — já que os dados oficiais não contam assim a calçada da Av. Paulista, né.

Zilda_Natel_Do_AthosO terreno, que é da subprefeitura da Lapa, foi usado como canteiro do Metrô por 12 anos. “Quando o lugar ficou vazio e abandonado, alguns moradores questionaram a segurança do local”, diz Iênidis Benfati, presidente do conselho da Associação Viva Pacaembu por São Paulo. A prefeitura previa a construção de uma praça, com entrega ainda em 2008, mas o projeto sofreu resistência. “Fomos surpreendidos sabendo, pelo jornal, que seria uma pista 24 horas”, relembra a representante do bairro.

Conversas entre moradores, skatistas e a administração fecharam a versão final: em vez de uma praça, um parque, com horário de abertura e fechamento, portões, banheiros. Além da área para o skate, a reforma, que custou cerca de R$ 696 mil, incluiu uma quadra de streetball.

Um grupo de grafiteiros foi chamado pra dar uma cara às paredes — há poucas plantas; verde, mesmo, só as grades e o piso da quadra. Um biciletário foi instalado (mas a bike pode apenas ser estacionada. O lugar não é adequado para quem quer dar umas voltas).

Ao lado de um pequeno gramado, entre o barulho dos rolamentos e o do trânsito, há 10 aparelhos para ginástica de baixo impacto, voltados para o público da terceira idade. Em princípio, parecem deslocados — o parque tem sido frequentado por crianças, adolescentes e jovens adultos.

Com a formação do conselho gestor, outras questões ainda devem ser avaliadas. “Falamos com a prefeitura sobre a proibição de bicicletas na pista. Já houve caso até de motocicletas, e isso pode provocar acidentes”, exemplifica Iênidis.

Então é só saber brincar e aparecer por lá. O Zilda Natel, bem perto da estação Sumaré do Metrô, fica aberto diariamente das 9h às 21h — só há alteração em dias de jogos no Pacaembu, quando a prefeitura define o esquema, variável.

Chuva alaga cidade e encerra o carnaval

O temporal que atingiu São Paulo nesta quarta-feira encerrou oficialmente as festividades do carnaval, alagou diversas regiões da cidade e lembrou os paulistanos dos problemas da vida real após a folia.

A Thaís Pontes, do Dica do Dia, mandou fotos do alagamento na Avenida Sumaré, na altura do número 1.300.

chuva-sumare-1

chuva-sumare-2

Esta não é a primeira vez neste ano que a região fica alagada. No dia 27 de janeiro, uma forte chuva inundou completamente a Rua Turiassu e a região do Sumaré. Para não ser pego de surpresa pela enxurrada, vale visitar o site do Centro de Gerenciamento de Emergências, que atualiza em tempo real os pontos de alagamento na cidade.

Tem fotos ou relatos de alagamentos perto da sua casa? Envie para o Urbanistas!