As igrejas e templos mais bonitos de São Paulo

A diversidade religiosa de São Paulo é impressionante e a cidade abriga centenas de igrejas, templos, mesquitas, sinagogas, terreiros… Veja abaixo uma lista das construções religiosas mais bonitas e mais importantes da capital.

Catedral Ortodoxa de São Paulo
Igreja Ortodoxa
Foto no Flickr do betta design
A Catedral Ortodoxa de São Paulo, perto da estação Paraíso do Metrô, é a Sé da Arquidiocese da Igreja Católica Ortodoxa Antioquina no Brasil.

É um exemplo de construção arquitetônica bizantina que pode ser apreciado na América do Sul. Seu projeto, cuja edificação teve início da década de 1940, foi inspirado na Basílica de Santa Sofia em Constantinopla (atual Istambul).

Leia mais…

São Paulo terá Festival Internacional de Fotografia

spphotoAmantes de fotografia terão um super evento na cidade em setembro, quando acontece o primeiro SP Photo Fest – Festival Internacional de Fotografia de São Paulo.

Serão quatro dias – 10 a 13 de setembro – de palestras, debates, workshops e leitura de portfólios, voltados para amadores ou profissionais interessados na arte da fotografia.

Entre os fotógrafos confirmados estão Amy Arbus, autora de quatro livros, com mais de vinte exposições pelo mundo e com fotografias que fazem parte da coleção do The New York Public Library e The Museum of Modern Art em Nova York.

Outra presença já garantida é a da também norte-americana Scout Tufankjian, fotógrafa que cobriu a campanha de Barack Obama e lançou o livro “Yes we can: Barack Obama’s History Making Campaign“. O tcheco Antonin Kratochvil, fotógrafo de guerras e campanhas publicitárias e fundador da Agência VII também está confirmado. Entre os brasileiros confirmados no evento estão Eustáquio Neves e Cristiano Mascaro

Nesta edição do SP Photo Fest, as palestras serão gratuitas e com tradução simultânea. Os debates também terão entrada gratuita e apenas os workshops com os fotógrafos convidados serão cobrados. Você pode pegar todas as informações de agenda no site do evento. O SP Photo Fest acontece no Museu da Imagem e do Som (MIS) e você pode obter mais informações sobre o evento no e-mail contato@spphotofest.com.br

Escreveu, não leu…

Relaxe  - Bruno Soraggi

“Fui tirar uma foto da instalação RELAXE na Av. Dr. Arnaldo e acabei criando um wallpaper da Axe”, twittou o amigo do Urbanistas Bruno Soraggi pouco antes do desfecho da polêmica com as “intervenções artísticas” espalhadas em São Paulo.

Para quem estava descansando, rolou o seguinte: no domingo, a Natura estreou comercial na TV em que letreiros se destacavam numa cidade. Liam-se as palavras “Descanse”, “Relaxe” e “Calma” na paisagem urbana. Na segunda-feira de manhã, as mesmas palavras eram usadas em peças gigantes colocadas na Praça da Sé, na Av. Dr. Arnaldo e na Av. Europa.

Os letreiros, do grupo BijaRI, haviam sido aprovados pela prefeitura. A semelhança com a propaganda — a Natura patrocinou a iniciativa –, contudo, levantou suspeita de tentativa de burlar a Lei Cidade Limpa, e ontem foi ordenada a retirada das instalações.

De fato, quem viu o filme  na TV achava que assistia a um mash up urbano do “Filtro Solar” com a fachada da Drogaria Onofre. Ao dar de cara com o letreiro na rua, na vida real… Onde é que eu vi isso, mesmo? Relaxou, a mensagem estava internalizada.

Uma mensagem bem mais sorrateira que a da foto do Soraggi. Mas, calma — este post nem usa desodorante.

Imagens de São Paulo em alta definição!

Hoje é feriado em São Paulo, dia em que comemoramos a Revolução Constitucionalista de 1932, e recebemos no e-mail um link para um vídeo muito legal, em alta definição, com ótimas imagens da cidade. Assista abaixo:

Marabá põe cinema de shopping de cara pra rua

Agora que você já leu todos os relatos babando ovo para o retorno do cinemão de 1945; das vovós contando do glamour; dos vovôs falando dos carrões; das autoridades municipais animadinhas com a revitalização do Centro. Agora, agora, é bem provável que ainda não tenha ido ao Marabá — mas, diz aí, você pretende frequentar as novas salas?

Vamos lá, sem ressentimentos. Este post não é agourento e ninguém é besta de não querer uma região central viva; estamos apenas avaliando esse recomeço do Marabá — e o prédio já vale, mesmo, o primeiro ingresso. A iluminação externa, a fachada, o piso do hall de entrada, as colunas de mármore, os lustres, as portas, o espelho… Tudo restaurado, bonitão.

Na bilheteria, a tela com os horários dos filmes estava fora do ar; com uma tabela na mão, um funcionário ajudava quem ainda precisava escolher. As filas estavam desorganizadas; tanto na compra do bilhete quanto na saída, as faixas que deveriam organizar o fluxo muitas vezes atrapalharam. Alguma confusão com tamanhos e preços na hora da pipoca. Tudo normal de estreia e nada que seja exclusivo de lá.

Mas é meio que aí que está. Por enquanto, o prédio é a única coisa que diferencia, de fato, o Marabá. No restante, ele é igual a um cinema de shopping. As mesmas poltronas, a mesma luz, o mesmo som, a mesma lanchonete. Dependendo da sala, do hall para a frente, o mesmo clima. 

A programação inicial tem duas comédias light nacionais, cinco filmes dublados e, com legendas, um policial do Mickey Rourke – o único a estrear esta semana. A sala principal, maior e mais suntuosa, reserva o charme da recuperação da boca de cena, da pintura e dos ornamentos para o público de ‘Monstros Vs. Alienígenas’ e ‘Dia dos Namorados Macabro 3D’.

Aí vêm as desvantagens. Ao contrário do cinema de shopping, não tem estacionamento (o plano oficial é um sistema de valet, mas há um ponto de ônibus bem em frente ao cinema); o entorno é sujo, esburacado e não inspira segurança; e é nesse entorno que você passeia até chegar ao programa pós-filme.

Então ficamos assim, pelo menos até aqui: por mais que queiramos todos acreditar no renascimento, o cinema ainda é, por fora, uma ilha num centro degradado; por dentro, um ambiente ora único ora padrão, e uma programação qualquer nota.

Serviço: Cine Marabá – Av. Ipiranga, 757, Centro // Tel.: (11)5053-6996 // Cinco salas:  430, 176, 161, 133 e 122 poltronas.

Sutileza no recado

Não basta dizer “Proibido estacionar”. Tem que avisar sobre o “risco de pneu furado”…

placa-sutil
Portão na Vila Mariana