Guia de baladas e afins para a Parada Gay 2008

Depois dos evangélicos marcharem pela cidade amanhã, no domingo, 25, será a vez dos gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros (a cada ano a sigla aumenta! Transexuais, transgêneros, travestis, transeuntes, tropicalistas, transgênicos…Parada GLBTT SBP H KK!) fazerem o test-walk do piso novo e acharem os caminhos alternativos para onde ainda há obras na Avenida Paulista!

A 12ª edição da Parada do Orgulho GLBT, que há três anos é considerada a maior Parada do mundo, com cerca de 3,5 milhões de pessoas, irá alertar para o tema “Homofobia mata! Por um Estado laico de fato”. Alexandre Santos, presidente da APOGLBT, organizadora do evento, afirmou que a idéia é exigir que o Estado seja o primeiro a agir contra a homofobia. “Nossa expectativa é que os participantes compreendam nosso chamado”, disse Santos.

Outro fato de destaque é o patrocínio da Petrobrás e da Caixa Econômica Federal. A integrante da comissão da diversidade e da ouvidoria geral da Petrobrás, Maria Augusta Carneiro Ribeiro, explicou que o patrocínio significa uma integração política das mais importantes. “Somos uma empresa que se reconhece do mundo da diversidade e da diferença. A Petrobrás tem orgulho de participar desse evento”, afirmou Maria Augusta. Só não pode faltar combustível nos trios elétricos!

E nós, do Urbanistas, também vamos entrar nessa festa! Como os tamborins começam a batucar hoje, já que o pessoal aproveitou o feriado e veio curtir tudo que São Paulo tem até a Parada, organizamos um mega guia com o melhor das baladas, afters, lugares para fazer um “esquenta”, onde jantar, ver, ser visto e até uma dica para fazer aquele relax safado. Veja as muitas opções para esses dias, escolha seu roteiro, consulte nosso mapa e boa diversão! Mas, claro, com juízo e camisinha!

Leia mais…

Lineup do SPFW Verão é divulgado

Foi divulgado nesta tarde o lineup da edição de verão 2009 do São Paulo Fashion Week, que acontece de 17 a 23 de junho deste ano.

Do site do SPFW:

Novos integrantes migraram para o São Paulo Fashion Week, caso das cariocas Reserva e Blue Man (citada acima). Além da novata Maria Garcia (braço da Huis Clos) e dos comebacks de Isabela Capeto, OESTUDIO, Vide Bula, Pedro Lourenço, Anabela Baldaque e Miguel Vieira, a gigante Colcci vai desfilar nas passarelas do SPFW com la diva Bündchen arrasando nos pivôs.

A divulgação das grifes que vão desfilar pela Bienal já começa a repercutir por ai. As meninas do “Moda em 12 Tempos” destacam a saída da Raya de Goeye, que deve “investir em planejamento de marketing e expansão comercial”. Já os “Meninos da Moda” ressaltam que, com a entrada da Colcci, a presença de Gisele Bündchen é quase certa.

Veja o lineup completo após o clique:

Leia mais…

Bolsas de outdoor

As duas “Lúcias” mais legais da blogosfera, a Freitas e a Malla, divulgaram uma exposição de design sustentável em Nova York que conta com um pedacinho de São Paulo em suas obras.

Do Faça sua parte:

A empresa Straat, junto com artesãos paulistanos, produziu para a Touch as “banner bags”, que são sacolas/bolsas feitas com material retirado dos banners e outdoors da cidade de São Paulo naquela época da “limpeza kassabiana”.

Como bem disse Lúcia Freitas, toda arte bacana é cara. Se você quiser comprar uma das bolsas em exposição, terá de desembolsar US$ 75. Pelo menos eles aceitam Pay Pal.

A foto é de reprodução do site da Touch.

Vila Madalena para consumistas

Se você não agüenta mais passear em tantos shoppings atrás “daquela blusinha básica”, uma boa opção pode ser as ladeiras da Vila Madalena. Pelo menos é o que informou neste fim de semana o caderno de turismo do The New York Times, na reportagem “A Rare Shop-and-Stroll Area“.

Segundo o NYT, a Vila Madalena, “conhecida pelos estudantes atrás de cerveja barata e rodas de samba”, abriga também “boutiques peculiares” que estão transformando a região em um centro de compras amigável aos pedestres.

Do NYT:

In much of São Paulo, window-shopping is simply not practical: the concrete city is too vast for sidewalk strolling. Instead, residents who can afford higher-end merchandise drive to centers of consumption known in Brazil as “shoppings”; in the United States, they are called malls. But there is a new exception: Vila Madalena, a hilly neighborhood in the western zone.

A reportagem sugere uma passada pela Mumps, que tem camisetas muito bacanas, a nova loja do Ronaldo Fraga, a Refazenda… Veja lá no site do NYT todas as sugestões e aproveite o dia ensolarado para dar uma volta pela Vila Madalena com outros olhos.

Grafites da Vila Madalena no Flickr do Alexandre.Nascimento.

Shopping Bourbon é o ‘ajeitado’ da ZO

bourbon

Abriu. Ainda rola uma pendenga com a Prefeitura, mas está liberada ao público a mais nova praia paulistana — o Shopping Bourbon. Fomos conferir a paisagem numa segunda-feira, por volta das 14h, e chegamos lá sem pegar as alardeadas e preocupantes filas no trânsito local (toc, toc, toc).

De cara, o mais novo centro comercial da cidade não é lá muito novidadeiro. O chão de granito com eventual desenho geométrico, as escadas rolantes, os corrimãos dourados. Em vários dos corredores, uma roda de poltronas que imitam as da casa da sua vó e uma mesona redonda com um vasão de plantas — naquele pastiche ‘contemporâneo’ a que estamos cada vez mais acostumados nas construções e nos halls de entrada dos prédios daqui.

Há uma (pequena) área de serviços no Piso Água Branca — um subsolo com acesso ao estacionamento via rampa rolante (uma boa para quem vai usar carrinho)–, que também conta com um Outback, fechado. Ele se soma a várias outras lojas que ainda não abriram (Nike Store e o restaurante América entre elas), mas o shopping não está, em absoluto, vazio.

No piso seguinte estão duas das âncoras do empreendimento: a Riachuelo e o amplo hipermercado Zaffari, cuja rede já foi tema de post aqui no Urbanistas. Para a turma do carrinho, as compras seguem até 0h. Falha imperdoável, não reparamos na grafia, nas placas, do polêmico nome da rua cedido ao piso. No site, vai o acordo com a grafia oficial, Turiassu, com o quase consagrado escorregão do acento agudo indevido.

Muito melhor distribuído que o seu mais próximo concorrente local, o Bourbon tem quatro âncoras (C&A, Renner, Centauro e Fast Shop — todas no piso Pompéia) que também estão no West Plaza. Fecham o time principal a Livraria Cultura e a Zara — um pouco para cada bolso e gosto.

Então subimos a escada rumo à praça de alimentação, no último piso comercial. E, à medida que ele vai chegando, chega junto um cheirinho de… Cola. Compreensão, galera, ainda não está tudo pronto. O teatro sai no segundo semestre. De fora, os cinemas (dez salas) estão com cara de retoques finais. Além da ‘diversão’, o andar tem mais lojas (desculpem-nos os que sentirem um pleonasmo conceitual aqui).

À parte da comida. O espaço da praça é honesto, mas ainda não dá pra dizer se vai passar no teste da hora do rush das bandejas. Ele é bem-intecionado, com um bolsão de assentos variados (cadeiras de madeira; cadeiras estofadas; sofás no estilo lanchonete americana. Mesinhas retangulares quase-individuais rearranjáveis; mesas quadradas; mesas redondas). Em volta, o de sempre. O destaque fica para os espaços ‘off-praça’, mais simpáticos, como o Almanara e o Havanna Café — uma solução já adotada por outros shoppings da cidade. Como é, também, a saída dos demais estacionamentos: quatro andares a que se chega via pista-caracol.

Ah, antes da saída, uma passada no banheiro — talvez, o melhor da categoria. Espaçoso, com acabamento de primeira e secadores de mão que de fato enxugam.

O Bourbon fica assim, então: um novo shopping ‘como qualquer outro’, mas, neste canto da Zona Oeste, é um intra-muros ajeitado. Agora é ver o que isso vai provocar na concorrência e no lado de fora do portão.

Serviço: Bourbon Shopping – R. Turiassu, 2.100, Pompéia // Estacionamento: primeiras 3 horas, R$ 5; depois, R$ 2 por hora // Horário de funcionamento ‘padrão’ // Tel.: 3874-5050

Imagens meramente ilustrativas dos flickrs: marcelodobrasil, Punukio, crosslens e rikj

Apple Store no Iguatemi? Quase…

Quem recebeu o Estadão hoje pela manhã se deparou com uma publicidade de capa inteira no Caderno 2 de uma futura “loja da Apple” no Shopping Iguatemi.

Na verdade, o anúncio é da loja a2YOU (assim mesmo), um novo braço da FastShop que venderá apenas produtos da Apple. Será uma “premium retailer”, como indica o anúncio.

Do MacMagazine:

A a2YOU deverá se focar bastante em acessórios, mas contará com forte presença de Macs, é claro — provavelmente direcionados para consumidores, tal como as stores-in-stores dos supermercados Extra. Uma segunda loja com a nova bandeira deverá pintar ainda este ano também no Shopping Market Place.

A a2YOU não será a tal “Apple Store” que surgiu tantas vezes em boatos no finado Sampaist. Mesmo assim, como premium reseller, talvez tenhamos os produtos novos com mais rapidez e, quem sabe um dia, a iTunes Music Store passe a funcionar no Brasil…