Escreveu, não leu…

Relaxe  - Bruno Soraggi

“Fui tirar uma foto da instalação RELAXE na Av. Dr. Arnaldo e acabei criando um wallpaper da Axe”, twittou o amigo do Urbanistas Bruno Soraggi pouco antes do desfecho da polêmica com as “intervenções artísticas” espalhadas em São Paulo.

Para quem estava descansando, rolou o seguinte: no domingo, a Natura estreou comercial na TV em que letreiros se destacavam numa cidade. Liam-se as palavras “Descanse”, “Relaxe” e “Calma” na paisagem urbana. Na segunda-feira de manhã, as mesmas palavras eram usadas em peças gigantes colocadas na Praça da Sé, na Av. Dr. Arnaldo e na Av. Europa.

Os letreiros, do grupo BijaRI, haviam sido aprovados pela prefeitura. A semelhança com a propaganda — a Natura patrocinou a iniciativa –, contudo, levantou suspeita de tentativa de burlar a Lei Cidade Limpa, e ontem foi ordenada a retirada das instalações.

De fato, quem viu o filme  na TV achava que assistia a um mash up urbano do “Filtro Solar” com a fachada da Drogaria Onofre. Ao dar de cara com o letreiro na rua, na vida real… Onde é que eu vi isso, mesmo? Relaxou, a mensagem estava internalizada.

Uma mensagem bem mais sorrateira que a da foto do Soraggi. Mas, calma — este post nem usa desodorante.

Imagens de São Paulo em alta definição!

Hoje é feriado em São Paulo, dia em que comemoramos a Revolução Constitucionalista de 1932, e recebemos no e-mail um link para um vídeo muito legal, em alta definição, com ótimas imagens da cidade. Assista abaixo:

10 motivos para comemorar o Dia da Pizza

Dia da Pizza

Não haveria dia melhor da semana para a comemoração do próximo “Dia da Pizza“, data comemorativa tipicamente paulistana. Nesta sexta-feira, dia 10, diversas pizzarias da cidade contam com programação especial para homenagear este prato que é a cara da cidade.

O crítico culinário Saul Galvão explica em seu blog a origem da data comemorativa:

O Dia da Pizza foi criado em 1985, pelo então Secretário do Turismo Caio Pompeu de Toledo que organizou o “I Festival da Pizza da Cidade de São Paulo” e elegeu as 10 melhores receitas de mussarela e marguerita da capital paulistana. No dia 10 de julho ocorreu o encerramento do concurso e a data foi oficializada como o Dia da Pizza.

O Urbanistas, quando ainda era Sampaist, fez uma compilação das melhores pizzas de São Paulo. Muita coisa mudou desde então, mas as clássicas continuam no topo da lista. Veja abaixo algumas de nossas escolhas:

1 – Speranza: tradicionalíssima, já foi eleita a melhor pizza de São Paulo diversas vezes. Quando for pra lá, não ouse: peça as mais simples e dignas, como margherita e mussarela. Preste atenção na qualidade da massa. Hmmmm… entre as unidades da Bela Vista e de Moema, prefira a primeira. Se é pra ser tradicional…

2 – Bráz: inspirada no bairro paulistano do Brás, cheio de imigrantes italianos e, reza a lenda, onde as primeiras pizzas da cidade foram assadas, a casa se orgulha dos seus ingredientes de primeira qualidade. Cinco unidades em São Paulo, uma no Rio de Janeiro e uma em Campinas. Tá bom pra você?

3 – Pedaço da Pizza: é o Mc Donald’s das pizzas. Não é grandes coisas, nem tão barata assim, mas uma excelente opção se você está com pressa e quer comer uma coisinha rápida antes ou depois do cinema.

A lista com as 10 melhores pizzas de São Paulo você encontra clicando aqui!

Foto no Flickr do .Bala

Extra, extra!

Salão do Turismo é boa dica para o fim de semana

Foto Cesar Ogata

Quer viajar nas próximas férias, mas ainda não tem ideia do destino? Uma visitinha ao Salão do Turismo (www.salao.turismo.gov.br) pode te ajudar a determinar o rumo. Promovido pelo Ministério do Turismo, o evento acontece pela quarta vez em São Paulo e reúne a oferta turística de todos os estados brasileiros e de diversos ramos de atividade, da companhia aérea ao estabelecimento hoteleiro. Quer comprar o pacote completo, incluindo os passeios? Pode. Prefere comprar só a passagem aérea? Pode também.

Não pretende sair da capital nos próximos meses, mas ficou sem programa para o fim de semana chuvoso? Uma passada no Anhembi também pode resolver o problema. Afinal, o salão tem programação cultural e gratuita, oficinas de artesanato, exposição e venda de artesanato e gastronomia dos 27 estados. Uma praça de alimentação serve pratos da culinária regional de todo o país, como o cearense baião de dois e o mineiro feijão tropeiro, entre muitas outras opções.

O melhor de tudo é que o passeio sai quase de graça. O credenciamento online garante a entrada gratuita no pavilhão de exposições. (https://credenciamento.websiteseguro.com/salaodoturismo/visitantes/). Basta preencher um cadastro rápido, imprimir o documento com o código de barras e apresentar na entrada do evento para retirar a credencial. A organização também disponibilizou um ônibus gratuito que faz o trajeto da estação Tietê do metrô ao Anhembi em diversos horários.

Por partes

O salão está dividido em vários módulos. Na Feira de Roteiros, os visitantes conferem as novidades em atrativos turísticos dos 27 estados, divididos por macrorregiões (sul, sudeste, norte, nordeste e centro-oeste). Na Área de Comercialização, o consumidor pode comprar pacotes diretamente dos fornecedores e aproveitar preços e condições especiais de pagamento.

Um dos setores mais concorridos, a Vitrine Brasil funciona como uma grande exposição da produção artesanal e da gastronomia brasileira. Em cada uma das 27 lojas de artesanato, o visitante pode comprar produtos típicos do estado representado. As rendas alagoanas estão por lá, os orixás baianos também. Como na edição passada, um galpão exibe e comercializa joias brasileiras, mas a novidade para esse ano foi a inclusão de um espaço independente para a exposição e venda de roupas e moda brasileira. Outra novidade é o Espaço Vivências, onde os visitantes poderão aprender (ou, ao menos, experimentar) diferentes técnicas artesanais e manusear diversas matérias-primas sob a observação dos artesãos.

A praça de alimentação foi montada em uma área de 2,4 mil metros quadrados e oferece mais de vinte opções de receitas tradicionalmente brasileiras a um custo de R$ 5 por porção. As sobremesas saem por R$ 3. Ainda no quesito gastronomia, o interessado pode degustar e comprar itens produzidos por agricultores familiares de todo o país em um estande único. A lista de guloseimas é enorme e contempla desde a tradicional castanha de caju (cerca de R$ 15 por 500g) até o queijo parmesão caseiro (R$ 25 o quilo). Palmito pupunha, doces, polpas de frutas, biscoitos, embutidos e até peixes amazônicos congelados podem ser comprados.

Aberto na quarta-feira, o salão vem registrando uma participação expressiva do público, mas no fim de semana o número de visitantes deve aumentar bastante. A organização estima que cem mil pessoas passem pelo Anhembi até domingo. Segundo o Ministro do Turismo, Luiz Barretto, os preços estão de 10% a 20% mais baixos que no ano passado.

Quando, onde e quanto?

Hoje, o Salão do Turismo está aberto até 22h. Amanhã, funciona das 10h às 22h e domingo, das 10h às 20h. Os ingressos para quem não fizer o cadastro pela internet custam R$ 10 e o estacionamento, R$ 20 (dinheiro ou cheque). Pessoas acima dos sessenta anos e crianças menores de cinco anos têm gratuidade na entrada. O Parque Anhembi fica na Avenida Olavo Fontoura, 1209, em Santana.

Por Camila Ribeiro, exclusivo para o Urbanistas
Foto: Cesar Ogata