Speedy fora do ar em SP

Cerca de 25% dos usuários de banda larga do País, todos concentrados no Estado de São Paulo, amanheceram sem internet nesta manhã. Por um problema nos sistemas da Telefonica, o Speedy não funcionou o dia inteiro e milhares de pessoas ficaram sem comunicação.

Além dos usuários residenciais, a queda no sistema do Speedy deixou diversas repartições públicas sem sistema. Delegacias ficaram sem fazer boletins de ocorrência, o PoupaTempo não conseguiu poupar o tempo de ninguém e até os bancos, públicos e privados, ficaram sem conexão.

Segundo o UOL:

A Anatel (Agencia Nacional de Telecomunicações) informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que ainda está apurando os motivos da pane nos serviços de transmissão de dados da Telefônica. Por enquanto, não há estimativa do total de usuários afetados, nem dos serviços que estão indisponíveis.

Até a publicação deste post, o sistema da Telefonica ainda não havia voltado. Os consumidores que se sentirem prejudicados pela falha podem (e devem) reclamar no Procon e, caso necessário, entrar com ação no Tribunal de Pequenas Causas.



5 Responses to “Speedy fora do ar em SP”

  1. A situação de hoje é gravíssima. O Poupatempo (aquele serviço que já ajudou, mas hoje é lotado e lento) não funcionou. Nas delegacias, policiais tiveram de esperar mais de 20 h pra conseguir registrar um BO de flagrante, pq o sistema caiu. Quem chegava querendo registrar outros BOs era mandado de volta pra casa. Como pode São Paulo ser tão refém assim da Telefónica?

  2. Sou cliente de Speedy (não sou usuário pq naum posso usá-lo oras!) e a minha conexão de internet caiu por mais de 24 horas. Mas gente – vamos olhar o lado positivo: estou QUASE acostumado com o serviço podre de Telefonica! Nada me surpreenda! EBA!!!!

  3. “Como pode São Paulo ser tão refém assim da Telefónica?” [2]

  4. [...] como a de Tiago estão se difundindo pela internet. Um post do blog Urbanistas/SP é exemplo disso. Rafael Sbarai escreveu o post Colapso do Speedy, no blog De [...]

  5. Eu vivia discordando do meu professor de literatura. Enquanto eu insistia em defender a liberdade quase anárquica que a internet permite ele repetia redundante que na verdade a liberdade era ilusória. Na verdade esse conteúdo pertence a entidades privadas e logo elas possuíam todo o controle do conteúdo…