Negligência no Metrô

A cratera das obras do Metrô voltou a assombrar o noticiário. Ontem o Jornal da Globo mostrou, com exclusividade, partes do laudo técnico do IPT, que só será divulgado na próxima semana. Segundo o jornal, os técnicos vão confirmar que houve uma aceleração no ritmo da obra. O túnel da estação, que desmoronou matando sete pessoas, teve mesmo o sentido da escavação invertido. Só que as medidas de segurança necessárias não foram tomadas.

Do Jornal da Globo:

Uma testemunha ouvida nesta quinta-feira pelo Ministério Público, apresentou uma versão que coincide com uma suspeita dos técnicos do IPT: de que no dia do acidente teria havido três detonações de explosivos no túnel, antes da tragédia, e não duas apenas, como afirma o consórcio responsável pela obra. Dona de uma casa que teve que ser demolida, a testemunha denuncia: alertou os engenheiros que algo errado estava acontecendo.

Assista à reportagem abaixo:

O Metrô disse que só vai se pronunciar quando o laudo do IPT for divulgado oficialmente.



2 Responses to “Negligência no Metrô”

  1. Vocês, responsáveis por este blog, não são jornalistas e por isso não devem ter notado um detalhe interessante:

    qual é o nome do consórcio responsável pela obra?

    No Bom Dia Brasil de sexta-feira passada e, agora vejo, no Jornal da Globo, essa informação não foi dada.
    Suponho que o mesmo deva ocorrer em outros veículos de informação.
    Algo triste, não?

    Abraços

  2. Aldrin,
    o conórcio responsável pelas obras da Linha 4 do Metrô é o “Consórcio Via Amarela”.

    Ele é composto por CBPO, OAS, Alstom e Queiroz Galvão.

    Abs
    Leandro