Tinha (terá!) um estacionamento no meio do caminho

estacionamento

Foi a manchete do JT de hoje: vem aí o bilhete metrô-carro. Sabe quando a gente vai a um lugar perto de uma estação X, mas a estação mais próxima, Y, é longe de onde nós estamos? Aí a gente pensa que podia fazer só uma parte do trajeto ao volante, deixar o veículo num local seguro e continuar a viagem de transporte coletivo — mas o tal ‘local seguro’ não existe ou é muito caro. Pois o bilhete quer ajudar neste ponto.

A idéia é que, com um cartão magnético, o motorista possa parar em um dos 16 pátios que serão construídos perto das estações. Hoje, quando há estacionamento, ele é terceirizado — na Barra Funda e na Tietê, o serviço tem vínculo com o Metrô, que leva parte da arrecadação. Com a integração, porém, o esquema não vai se restringir à mera divisão de receita: quando o dono do carro usar o bilhete para estacionar, terá direito a uma passagem de ida e outra de volta.

O projeto, que ganhou o nome de Metrô Fácil Estacionamento, está em fase de negociação. Ainda não há definição de tarifa nem lista fechada de estações. Também não há detalhes sobre quanto tempo os veículos poderão ficar parados, por exemplo. Além disso, há o risco de liberar ruas, mas superlotar ainda mais o sistema — que já teve dias melhores –, o que exigirá adaptações, como mais trens.

E aí, o que você acha? A idéia vinga? Você pagaria quanto?

A imagem é do mapa oficial do Metrô com sobreposição de Paintbrush. Blz, sou júnior.



9 Responses to “Tinha (terá!) um estacionamento no meio do caminho”

  1. Eu gostei da idéia (até ia postar sobre o assunto). Só acho que se o estacionamento for algo superior a R$ 5 ou R$ 6 o período (não a hora), a idéia está fadada a morrer.

  2. Concordo com o Leandro. O único problema é que não tem metrô perto do trampo ou de casa… É a vida! rs

  3. Então… Tem outro problema, tb: se for barato demais, a galera que trabalha nas redondezas da estação, mas não usa Metrô, pode segurar vagas — um fenômeno parecido com o que que levou às alturas os estacionamentos de shopping. Para ser adequado, o cara teria de ser ‘obrigado’ a usar o transporte público.

  4. É, vários espertinhos vão acabar aproveitando o lance do estacionamento mais barato. A teoria dos jogos não-cooperativos (aka lei do cada-um-por-si) destrói as tentativas de civilização abaixo do Equador. O negócio é esperar para ver o rolo que dá…

  5. Talvez criando um esquema em que o sujeito que deixa o carro no estacionamento não possa sair e tenha que OBRIGATORIAMENTE embarcar em um metrô. É meio ditatorial, mas pro cara usar o estaciona indevidamente teria que andar pelo menos uma estação e voltar (não duvido que as pessoas possam fazer isso, caso necessário).

  6. Legal a iniciativa de unir o coletivo com o individual. Tomara que dê certo o incentivo de usar o transporte coletivo.

    No entanto, além de possivelmente acontecer o desperdício egoísta de tempo no local, penso que pode ser mais uma área que diminua ainda mais os poucos Km² de absorção de água da chuva da cidade.

    Para coibir o uso egoísta, alguma obrigatoriedade deve haver. Pagar mais por um tempo curto (estacionamento do Parque Ibirapuera) e ou obrigar fisicamente o usuário a entrar no vagão.

    O usuário pode deixar o carro o quanto quiser, mas pagará por períodos curtos um preço proporcionalmente maior do que um período comum nos demais estacionamentos.

    E quanto à absorção de água, espero que os páteos do estacionamento não sejam de asfalto ou outra superfície totalmente impermeável.

  7. Que tal um pacotão: estacionamento por 12hs mais ida-e-volta por R$ 9,90? Aí seria ótimo. Não precisa ter “obrigatoriedade” de pegar o metrô, mas o mínimo que o cara pagaria é isso, o que tornaria antieconômico parar no estacionamento.

  8. O projeto de monotrilho para a zona sul paulistana deve diminuir o trafego de automóveis na região. Espero que realmente saia do papel> A notícia é boa:
    http://www.constructionfamily.com/viewtopic.php?f=111&t=516

  9. O transporte urbano em nossas cidades é uma vergonha. Assim como o urbanismo.