Soninha na Prefeitura

soninha.jpg A cena política paulistana se entusiasmou (ok, nem tanto) na última semana, quando a vereadora e jornalista Soninha Francine anunciou sua saída do PT para disputar a Prefeitura de São Paulo pelo PPS.

Em sua carta de desligamento do PT, Soninha explica sua saída e fala sobre a disputa pelo gabinete municipal no próximo ano:

O PPS mostrou interesse em ter em seus quadros alguém “independente” — o tipo de “problema” que eles querem ter, pelo que entendi. Não se apresentou como o céu, o olimpo, a terra pura, mas uma instituição que quer se qualificar, aperfeiçoar, se tornar sempre mais consistente. E que ofereceu a oportunidade empolgante de disputar no ano que vem a prefeitura de São Paulo; a chance de entabular um debate rico, baseado em visões da cidade, diretrizes, propostas, reconhecendo honestamente boas experiências aqui ou em outros lugares do Brasil e do mundo, estabelecendo um compromisso com algumas metas e não promessas fabulosas.

O Sampaist, que estava meio descrente com as possibilidades para o próximo pleito. Se Soninha praticamente não tem chances de vitória, será bem legal ter alguém como ela nos debates…



One Response to “Soninha na Prefeitura”

  1. Ficou fácil pra EU entender (pelo meu modo) que ela concordou com o interesse do PPS em chegar à prefeitura de São Paulo. Eles precisavam de alguém conhecido e “confiável”.

    De certo, ela tem uma boa fama. Mas é difícil pôr a fè (o voto) em alguém. Tanto porque, geralmente ocorre de se corromper facilmente quem tem o poder ao lado de mal intencionados e também porque geralmente não é quem está no poder que consegue usá-lo bem. Imagino que a pressão seja tanta por parte das câmaras minicipais (neste caso) que só sendo “xerife” para fazer algo bom pra cidade.