O punk invade a bossa

Nouvelle%20Vague%20SESC%20Pinheiros%20Ulisses%20Barbosa%20top.jpg

Imagine um show onde ouve-se covers de Dead Kennedys, Undertones, Buzzcocks, The Clash e Cramps. Você consegue imaginar stage diving, crowd surfing, pogo e outros movimentos de dança típicos de punks? E o público? Coturnos, moicanos, correntes e muita cara fechada? Nada disso. O que se viu no show dos franceses do Nouvelle Vague no SESC Pinheiros foi muito diferente. Público sentado no teatro com lugares marcados e pessoas arrumadas e sorridentes.

Os produtores musicais Marc Collin e Olivier Libaux formaram o Nouvelle Vague no começo do século 21, com a proposta de mudar a cara de clássicas do punk rock transformando as agressivas canções punk em deliciosas levadas em samba e bossa nova. Além dos produtores a banda conta ainda com uma lista extensa de colaboradores nos vocais.

Os franceses abriram o show com ‘Killing Moon’, do Echo and the Bunnymen, mudando tudo, desde o ritmo, até parte da letra, transformando a frase ‘thru the thick and thin’ em ‘thru the sick and sin’.

As cantoras encantavam os olhos com seu visual, usando vestidinhos delicados as duas dançavam de maneira sexy. E encantavam os ouvidos com suas vozes suaves e angelicais, algumas vezes beirando o infantil.

Fazendo covers de Billy Idol, ‘Dancing with Myself’; Buzzcocks ‘Ever Fallen in Love’, The Clash ‘Guns of Brixton’; entre outras.

Até mesmo a caótica e nada singela ‘Too Drunk to Fuck’ do Dead Kennedys ganhou uma versão ‘meiga’, logo nos primeiros acordes parte do público saiu de seus lugares e posicionou-se frente ao palco para dançar. E depois disso ninguém mais ficou parado.

Agradeceram ao público em inglês, francês. E emendaram: “Essa é a melhor maneira de nós podermos f… todos juntos”, fazendo alusão à música ‘Too Drunk to Fuck’.

Na platéia as pessoas sorriam, com cara de satisfeitas, afinal os mil ingressos do único show do Nouvelle Vague em São Paulo esgotaram em poucos dias, e estar ali, foi gratificante.


Achou o slideshow muito lento? Veja as fotos no Flickr do Sampaist.

As fotos são de Ulisses Barbosa.



Comments are closed.