Clarice Lispector no Museu da Língua Portuguesa

Esse post é uma contribuição do jornalista Dênis Lopes de Matos especialmente para o Sampaist. Caso você tenha uma dica ou história para contar, envie um e-mail!

lispector.jpg O Museu da Língua Portuguesa abriu suas portas para a exposição “Clarice Lispector - a hora da estrela” no dia 24 de abril. Com curadoria do escritor Ferreira Gullar e da produtora cultural Júlia Peregrino, a mostra tem recebido um público de cerca de 5.000 pessoas todos os finais de semana desde sua estréia. Por todos os ambientes do espaço é possível encontrar as mais diversas frases da escritora, que conseguia dizer o “indizível”.

A exposição marca 30 anos do lançamento do livro “A hora da Estrela” e da morte da escritora. Todo o material exposto faz parte do Acervo Clarice Lispector, sob a guarda do Arquivo-Museu da Literatura Brasileira da Fundação Casa de Rui Barbosa.

Em um dos ambientes estão duas mil gavetas, onde 65 delas guardam documentos originais e inéditos de Clarice. Nesta sala o público tem acesso a detalhes da vida de Lispector, como passaportes, a Carteira do Sindicato de Jornalista, as cartas que Clarice enviou ao presidente Getúlio Vargas pedindo naturalização e até um bilhete que Paulo Gurgel Valente, filho da escritora escreveu à mãe em 1961.


A produtora Júlia Peregrino já havia organizado uma exposição sobre Clarice há 15 anos. A produção de “A hora da estrela” demorou cerca de três meses e meio para ficar pronta, entre pesquisa e montagem da exposição, onde a curadora buscou apresentar uma síntese compreensível da obra da escritora.

Mesmo com a visita de inúmeros fãs da escritora, a presença de um público de diversas idades que não conhece a obra de Lispector é freqüente. Os visitantes expressam muitas opiniões sobre a exposição, “Clarice fala sobre o ser humano que nunca muda, suas indagações, sentimentos de amor e ódio comum nas pessoas”, comenta a estudante Patrícia Naomi, 22. A monitora da exposição, Amanda Justino, 24, observa, “A obra de Clarice é atemporal, tudo o que ela trata é contemporâneo, mesmo em suas analises de si mesma, não há como não observar uma visão social, do homem como todo”.

A exposição Clarice Lispector – a hora da estrela, esclarecerá alguns detalhes sobre a escritora e como não poderia deixar de ser, ajudará a criar outros mistérios. A homenagem à autora no 30º aniversário de sua morte, fica em cartaz até o dia 2 de setembro no Museu da Língua Portuguesa.

Museu da Língua Portuguesa // Praça da Luz, s/nº // Estação Luz do Metrô



4 Responses to “Clarice Lispector no Museu da Língua Portuguesa”

  1. porra, muito legal esses detalhes sobre a montagem da exposição. taí um passeio que eu preciso fazer.

  2. fiquei muito chateada com a falta de informação do museu…. fui no inicio do mês passado, e só quando já estava lá dentro, fiquei sabendo que um andar estava fechado, justamente esse onde está essa exposição… eu faltei no trabalho, pq não tenho coragem de encarar a fila no sábado, e tive só “meio” museu a disposição… lamentável

  3. Realmente é fato Renata, o site do Museu não disponibiliza muita informação. Porém, os monitores são extremamente atenciosos e conhecem bem as obras da Clarice, vale a pena conferir e até enfrentar a fila!

  4. Uhmmmm…..Denis Lopes de Matos….huuuummmmm….acho que já ouvi falar deste reporter bolha……