Greve do lixo

Lixonarua.jpg Em assembléia realizada pelos trabalhadores da limpeza urbana (garis, coletores e motoristas), que terminou às 19h15 de ontem, na Zona Norte, foi decretada greve geral, por tempo indeterminado, a partir de segunda-feira, dia 26 de março. Até lá, a categoria permanece em estado de greve.

Moacyr Pereira, presidente do Siemaco (Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Prestação de Serviços de Asseio e Conservação e Limpeza Urbana de São Paulo), diz que defendeu a proposta de greve da categoria em razão da “provocação patronal em interromper unilateralmente as negociações, sem apresentação de qualquer proposta de reajuste salarial, nem sequer a reposição da inflação.”

Os trabalhadores, diz Moacyr Pereira, se viram no meio de uma disputa em torno de contratos entre patrões e a Prefeitura. “A categoria trabalhou o ano inteiro, e é hora de saber da reposição de suas perdas.”

O presidente do Siemaco lamentou ter tomado essa atitude, porque a categoria sabe das conseqüências para a população, nesta época de chuvas fortes, da falta de coleta de lixo. Moacyr Pereira também adiantou que tomará todas as providências no sentido de manter a normalidade na coleta de lixo nos hospitais, farmácias e postos de saúde.

Ele aproveita para orientar a população a evitar deixar lixo na rua, pois em caso de chuva poderá gerar o caos na cidade.

Foto do Flickr da Maria Carambola



One Response to “Greve do lixo”

  1. soube às 17h que a greve dos lixeiros foi suspensa.