São Paulo Fashion City – vamos neutralizar carbono!

Nose2.jpg

“Engajada na luta pela recuperação e preservação do meio ambiente”, a Prefeitura de São Paulo anuncia que vai neutralizar carbono. Então, tá. Na esteira — ou seria na rede indígena? — da São Paulo Fashion Week, lá vamos nós embarcar na onda da moda.

A Secretaria do Verde “passa a exigir, a partir de 24 de março, que os eventos realizados nos 32 parques municipais compensem as emissões de carbono com o plantio de árvores”, diz o release oficial. Há outros pontos no informe, mas vamos nos concentrar no assunto-fetiche que abre o texto.

“Carbon neutral” foi eleita a palavra do ano de 2006 no New Oxford American Dictionary. O documentário de Al Gore que concorre ao Oscar neutraliza carbono. A SPFW enterrou a discussão da anorexia das modelos com a “iniciativa verde” — ponto para a organização da semana, que ganhou mais destaque internacional pela ecologicaria que pelas roupas.

Pensamos o suficiente ao alardear estas verdejantes atitudes? Comecemos pelo evento no prédio da Bienal, que neste início de 2007 ajudou a reforçar o assunto na pauta nacional — que a Prefeitura, alerta, apenas segue. Como não olhar com desconfiança para a moda ecológica? Logo a moda, que vive de “tendências”, do que é “hypado”, do “in” e do “out”, do descartável, enfim. A moda que muda e manda você esquecer do que usou no inverno passado. A discussão foi colocada por Luiz Alberto Marinho no Blue Bus. Você sabia que o natureba algodão, tão incensado (perdão pela fumaça!) pelos fashionistas este ano, pode ser mais prejudicial ao meio ambiente que o malvado polyester? A pulga atrás da orelha está num estudo da Cambridge University reproduzido no International Herald Tribune.

E a neutralização de carbono — outro “must” da SPFW, embora “must” seja gíria “out”, coitada –, você já foi comprando a idéia assim, na boa? Pois WWF, Greenpeace e Friends of the Earth não se empolgaram tanto e lançaram um manifesto conjunto torcendo o nariz para a indústria de plantadores de árvore compulsivos. O Guardian abordou o tema em reportagem saudavelmente desconfiada em dezembro. Afinal, podemos comparar o carbono de combustíveis fósseis ao carbono absorvido pelas árvores? E o que acontece com o carbono quando as árvores morrem? E as famílias desalojadas para o plantio em massa? E os danos dos desertos verdes? E as auditorias falaciosas das empresas neutralizadoras?

Ninguém está questionando, aqui, as boas intenções de todo mundo — dos políticos que vestem ternos mal-cortados à galera do cobertor Parahyba. Trata-se de saber se o esquema é realmente efetivo — e parece que, ao menos sozinho, está longe de sê-lo. Está mais para um cura ressaca-moral. Para além disso, será que a iniciativa da Prefeitura vai resistir até a próxima coleção outono/inverno? A conferir nas próximas estações.

Fotos: os narizes desconfiados nos Flickrs Oddy, Stan Taylor, sosij e fotrristi



3 Responses to “São Paulo Fashion City – vamos neutralizar carbono!”

  1. Athos! Estou com tanto nojo desse monte de nariz peludo que nem consigo ler o post!

  2. Boa a matéria, Athos! É bom esclarecer esse tipo de coisa. Note que o informe esclarece que o principal é evitar o uso de combustíveis fósseis. Do jeito que estão fazendo, está mesmo mais para um “cura ressaca-moral” como você falou, ou pior, um “veja como somos limpinhos”…

  3. É, parece que as Eco-fads – ou Eco-trends – estao mais populares que o famoso “pretinho básico”. Nao dá pra ficar de fora! Afinal, é fácil compensar nosso estrago ecológico diário: basta vestir roupas de algodao orgânico! Hype & chic! Muito mais fácil do que usar transporte público ou reciclar lixo.
    As regras do modo de vida eco-hype aqui no Texas sao bem simples: fazer compras no supermercado Whole Foods (que oferece somente produtos orgânicos), dirigir caminhonetes gigantes megapoluidoras e ter uma televisao de plasma. E a moda está pegando.