A fúria de Kassab

kassabraivoso.jpg O prefeito Gilberto Kassab se envolveu mais uma vez em confusão durante a inauguração de uma unidade de saúde em Pirituba. Desta vez, Kassab expulsou a gritos e empurrões um manifestante que, por ser fabricante de placas, reclamava da lei Cidade Limpa.

O prefeito, visivelmente irritado com o manifestante, interrompeu o cerimonial de inauguração e começou a correr em direção ao idoso. “Sai daqui! Estamos em um hospital, respeite os doentes. Vagabundo! Vagabundo! Sai daqui!”, gritou Kassab, enquanto enxotava o manifestante para a rua.

Já na calçada, Kassab continuou gritando contra o senhor que protestava, identificado apenas como “Kaiser Paiva”. Segundo o site da Prefeitura:

O homem, que se identificou como Kaiser Paiva e disse ser proprietário de um carro de som, protestava, aos gritos, contra a Lei Cidade Limpa, que estabelece o fim da publicidade exterior na Capital. O manifestante encontrava-se no local supostamente para tratar do atendimento médico de um familiar, quando passou a gritar e a ofender o prefeito de São Paulo.

Enquanto o vídeo não cai no YouTube, você pode assistir ao “espetáculo” do prefeito no site do G1.

O vídeo foi publicado no YouTube:

Mas que papelão, ein?!



10 Responses to “A fúria de Kassab”

  1. To com o Prefeito e não abro. Ele foi muito descontrolado e mostrou despreparo – isso não se discute. Mas o povo acha que pode gritar onde e quando quer, e não é assim.
    Ademais, o tiozinho tá agora na Sonia Abrao chorando as pitangas porque ninguem mais manda fazer faixas e placas pra pendurar nas ruas. Que bom – e tomara que o senhor encontre outro trabalho logo.

  2. o prefeito ganhou pq grita mais alto, e tem a lei e a policia do lado dele.
    mas pare e pense: de q forma um cidadão ordinário como eu ou vc podemos protestar contra alguma coisa?
    procurando nosso deputado?

  3. Não acredito que alguém possa defender a conduta absurda deste típico político brasileiro. Kassab já deu outras demonstrações de despreparo e pelo jeito será mais um grande mico na história política do Estado. O Serra desrespeitou documento assinado por ele mesmo dizendo que não deixaria a prefeitura para concorrer a outro cargo, e além de sair largou essa bomba por lá. O manifestante poderia ter sido alertado a se comportar de outra forma, e se este fosse um país sério, ter sua reivindicação ouvida e analisada. No site da Folha a história do senhor Kaiser vêm ganhando matérias que a detalham de forma mais honesta do que a versão simplória divulgada em nota pela prefeitura.
    O Serra? Como governador já começou bem: aumentou a alíquota de icms de vários alimentos essenciais, o que aumentará o custo da cesta básica.
    No fim das contas, estamos perdidos. PT, PSDB…
    Precisamos de profissionais competentes, administradores formados e com experiência comprovada. A Empresa pública está na mão destes gritalhões oportunistas há muito tempo.
    Fiquem espertos, meus caros. Defender político é papel pra ovelhinha. Sejam cidadãos ativos, e façam sua parte. Oposição inteligente está em extinção neste país.
    Mesmo porque, pensando bem, mesmo que se queira ser tendencioso nesta história toda, prefiro defender o pobre desempregado. Chega de neguinho poderoso metido a mandão ficar chamando o povo de “vagabundo”!
    Vá “Kassar” o que fazer, seu irresponsável!
    PS: Ele já fez piadinha com a tragédia do metrô e xingou um pai de família desempregado de vagabundo. Qual será a próxima “grande obra” desse prefeito?

  4. Só complementando: quer coisa mais incoerente do que o Kassab expulsar aos berros uma pessoa de um posto de saúde por que esta estava berrando?
    E ele gritou muito mais alto do que o cidadão.
    Meu “Karo” Kassab, como diria Malba Tahan (citando um ditado milenar árabe), “O Silêncio vale ouro”. Melhor se “Kalar” da próxima vez. O peixe morre pela boca…

  5. Galera, galera. Não sejam tolinhos. Mastiguem antes de engolir.
    Atitude errada de político tem pra dar e vender. Ficar comparando mazelas não é a questão – o teu político gritou, mas o teu roubou, mas o teu xingou o pobrezinho, mas o teu tirou grana de ambulância, etc etc. Ninguém defende nada disso. Kassab fez do jeito errado, é obvio.
    Mas por favor, a gente precisa entrar na linha. Tiozinho tomou-lhe um corridão bonito de ver e muito merecido.

  6. Bem, ainda assim continuo do lado do “tiozinho”. Se algum popular tivesse dado um carreirão similar no prefeito, os assessores e a polícia teriam sentado o braço sem pensar. Além do que, como já coloquei anteriormente, reclamar de um gritão gritando… pois é…
    Eles é que teriam que depender e ter respeito pelo povo, não o contrário.

  7. O prefeito não perde por esperar. Na próxima o manifestante não sairá correndo.
    O manifestante será Luther Blissett.

  8. Esse Kassab é uma vergonha. Atitudes como essa mostram claramente como ele não dá a mínima para as reinvidicações da população.
    Até agora, as únicas ações desse prefeitinho foram usar o dinheiro público pra deixar a “rua das madames” Oscar Freire mais bonitinha pra elas e colocar bancos anti-mendigo na praça da República. Mais uma vez a elite é atendida prontamente e os pobres, que mais precisam da prefeitura, sofrem.

  9. Aliás, essa atitude de colocar bancos anti-mendigo na praça faz parte da tal “revitalização do centro” iniciada pelo Serra e continuada pelo Kassab, que é só uma forma de tentar tirar à força os pobres do centro da cidade, pra trazer os riquinhos de volta ao centro e jogar o povão pra periferia, pra ter o mínimo de contato com a “classe privilegiada”.

    Por isso, dou todo o meu apoio e força pra pessoas como as que estão resistindo na ocupação da Prestes Maia, resistindo contra a expulsão delas de lá, lutando pelo direito de morar num prédio que elas estão consertando aos poucos e que estava há 15 anos abandonado. Ao invés da Prefeitura deixá-las no prédio, afinal o proprietário “só” deve 5 milhões de IPTU (quase o valor venal do imóvel), quer jogá-las em algum CDHU no fim do mundo, onde elas terão difícil acesso ao centro da cidade, onde têm seus trabalhos.

  10. Falando nisso, acho que falta mais notícias sobre a ocupação no Sampaist. É algo importante que está acontecendo na cidade e que, pra variar, os meios de comunicação grandes estão pouco se lixando.