Ele é Sampa: Dj Marky na capital brasileira da música eletrônica

MARKY.jpg

Mesmo quem não gosta ou não conhece música eletrônica já ouviu falar do DJ Marky. Ele é um dos principais expoentes da música eletrônica brasileira, posto que conquistou depois de uma longa trajetória na cena paulistana.

Nascido Marco Antonio da Silva, ele começou a se aprofundar na arte da mixagem na década de 80, época em que ainda era conhecido como Marky Mark. Rapidamente se tornou o nosso pioneiro na discotecagem do Jungle e Drum’n’Bass, dois estilos mais “quebrados” e percussivos da música eletrônica.

A fama chegou com os anos 90, quando foi DJ residente da lendária casa noturna Toco e, mais tarde, comandou uma das noites mais famosas do Lov.e, a Vibe. Nessa época foi eleito diversas vezes como melhor DJ do país e influenciou a popularização da música eletrônica e o surgimento de uma cena nacional.

Aos 32 anos, Marky continua sendo o DJ de maior evidência do país e, apesar de passar cerca de 6 meses do ano em turnê mundo afora, mora em São Paulo, capital brasileira da música eletrônica.

Depois de muita espera, o Sampaist bateu um papo virtual (e suscinto) com o DJ. Confira abaixo porque o DJ Marky é Sampa!


MARKY2.jpg

Conte um pouco sobre o Marky, suas origens e paixões…
Eu nasci em Guarulhos e cresci em São Paulo. Minha paixão sempre foi a música. Escutava muitos os discos dos meus pais quando era moleque e ouvia rádio o dia todo. Minha casa sempre foi muito barulhenta.

Como você se tornou DJ?
Ganhei um par de picapes da minha mãe quando era criança. Encanei que queria virar DJ e todo mundo começou a achar que eu estava louco. Escutava meus ídolos.

Como a cidade influencia seu som?
A cidade tem uma série de coisas disponíveis que fazem a vida nela valer a pena. Já disse isso: foda-se o trânsito.

Que música toca na sua cabeça quando chega a São Paulo? Qual é a trilha sonora da cidade?
Headhunter.

Por que Sampa combina com drum and bass…
Acho que por causa da influência negra na nossa cultura, por causa da mistura, do requebrado.

Para quem não conhece música eletrônica, por onde começar?
Alguma rádios no Itunes trazem uma variedade bacana de música eletrônica. Acho que uma forma bacana de se iniciar no meio seria escutando algumas delas e vendo o que te agrada. Difícil apontar um “sure shot” assim.

Que medidas você toma para que seu trabalho seja bom?
Escutar música, ler sobre música, falar sobre música, ler manuais, conversar com pessoas e manter um espaço especial para os clássicos. Sempre!

Para onde caminha a música eletrônica e a cena paulistana?
Não sei. Mas sempre para o maior e para o melhor.

Qual foi o melhor lugar que você já tocou em Sampa? E o pior?
A lista muda sempre. Não saberia dizer.

Depois da balada, a larica é onde?
No lugar mais perto possível.

O melhor de Sampa é…
A dimensão das coisas daqui. Tudo!

O que São Paulo tem que Londres não tem?
Calor, coletividade, cooperação.

Você sabe que é alguém é paulistano quando…
Quando fala aquele “cinqüêêêênta”.

Qual o melhor bairro de Sampa para se morar?
Vila mariana, Brooklin, a parte silenciosa da Vila Madalena…

O que falta e o que sobra na cidade?
Falta tempo, sobram opções.

O mundo vai acabar em 24 horas. Como você passaria o dia em São Paulo?
Nem me fala isso. Mas certamente com meu filho em algum parque.

Você mandaria um beijo para qual paulistano?
Pode ser uma paulistana?

Conta aí um lugar inusitado que você freqüenta na cidade:
Um snooker aqui perto de casa…

Marky é Sampa por que…
…(ele não respondeu essa pergunta, mas nós podemos dizer…Marky é Sampa por que faz a cidade dançar!)

Fotos dos Flickrs Miolo e Jovana_Nz



6 Responses to “Ele é Sampa: Dj Marky na capital brasileira da música eletrônica”

  1. Meus estilos de música preferidos sao Techno e Prog, mas o Dj que mais admiro se chama Marky. Foi o Drum`n Bass que me influenciou nos meus primeiros contatos com a música eletronica, a 9 anos atráz.
    Na Inglaterra, o Marky é considerado Rei nao só pelo público, mas pelos grandes djs.
    Parabéns ao Sampa, por entrevistar o melhor DJ brasileiro da história.

    Está na hora de entrevistar um grande produtor. Gui Borato é uma boa opcao.

    Abs a todos.

  2. O Marky marcou grande parte da minha relação com a música eletrônica, que comecei a gostar quando frequentava a Vibe toda quinta-feira. O que ele fez foi transformar as batidas secas em swingado brasileiro. Merece estar entre os melhores do mundo pra sempre!

  3. O Marky sempre será o maior DJ do Brasil. Primeiro por criar a mistura do drum com estilos nacionais. Depois porque faz a galera vibrar muito! Adorei a entrevista. Adorei o sampaist.com!

  4. mexe sacolejaaa! mexe sacoleja! adoro muuuuitoo!

  5. Parabéns pela entrevista!! Sensacional! Gostei de ver um Dj respondendo perguntas que não necessariamente são totalmente ligadas a musica! Proposta interessante!

  6. Gostei da entrevista. Gostaria de ver mais entrevistas com o povo da cena eltrônica. Li aqui a da Flávia e a do DJ Alex S. Estou gostando dessa série ele é Sampa.