Especial Sampa 453 Anos: Macumba Electro-Rock

montage12.jpg

A primeira banda de electro-rock do Nordeste completa dois anos de idade! A comemoração vai ser dupla: na semana dos 453 anos de São Paulo, o duo Montage faz dois shows na cidade.

Há quase um ano a dupla se mandou de Fortaleza para cá pensando em dar uma “guinada” na carreira, e nunca mais parou. Segundo o vocalista Daniel Peixoto, em entrevista ao Sampaist, “foram dez anos em dois”. Shows lotados toda semana, participação em grandes festivais, primeiro lugar como “melhor show do ano” em colunas especializadas e na Folha de São Paulo, e agenda lotada já para 2007.

Na edição brasileira da revista Rolling Stone desse mês, o som da banda foi definido assim:

“Enfim uma banda mutante de electro rock com atitude punk, pop, glam, new wave, e letras que falam sobre drogas, fama, Pombajira, dinheiro, Benflogin, canibalismo, sexo, noite e ginástica olímpica. ‘No palco, a gente ainda faz uma espécie de ritual. Você já foi à macumba? As pessoas vestem aquelas roupas pra entrar em transe, mas é tudo muito espontâneo, exatamente como acontece comigo.(…) explica o vocalista Daniel Peixoto, que forma o duo Montage junto com Leco Jucá.”

Se é ele mesmo quem diz, não vamos discordar. Esses cearenses assustam (de leve) os desavisados: Peixoto sempre começa as apresentações com classe, em vestidos finos ou roupas sensuais. Meigo, até. Não demora muito, ele rasga tudo, tira a roupa, recebe um santo e sai de si. A música vai ganhando peso, mas não perde o jeitão de pista. Electro-Macumba, ou não, os garotos divertem, e são uma ótima opção na intensa lista de eventos para essa semana.

montage12a.JPG ** Entrevista com Daniel Peixoto, vocalista do Montage:

Por que os leitores do Sampaist devem ir ao show?

Porque nosso show traz muitos elementos interessantes. Começando pelo fato de ser uma banda de 2 pessoas. Além do mais, nossas musicas são ótimas, ao vivo ganham mais peso e nós ainda somos gatinhos. Ou seja, pacote nota 10!

Para quem nunca ouviu Montage: por qual música começar?

Raio de Fogo ao vivo. Uma versão que tem disponível na nossa home do site Trama Virtual. Dá o gostinho de querer ver o show. Depois, Ode to My pills (Benflogin).

Fale um pouco da trajetória de vocês. O grupo estourou, o trio virou duo… como foi 2006 e o que esperar do Montage em 2007?

Tudo foi muito intenso, a banda tem 2 anos e parece ter 10. Isso se deve ao fato de não pararmos um minuto sequer. É normal em todos os caminhos que tenham alterações. O que foi o caso da saída do antigo guitarrista. Mas por outro lado estamos trabalhando com novos músicos como Maurício Fleury e Júnior Boca que dão um gás diferente… Pra 2007 quero consolidar de vez o nome do MONTAGE na cena electro nacional. Também quero ir à Europa e arrasar com nosso novo hit “Bento XVI y Pedro Almodóvar”.

Qual a sensação de tocar em um grande evento como o Campari Rock, ao
lado de atrações internacionais de peso?

Muito gratificante. Eu não parava de pensar um minuto de onde eu vim, que jamais pensei em por exemplo ver um show do Cardigans e, de repente, nós ali, juntos. Porra, foi foda! Também adorei tocar com Supergrass.

Você sabe que alguém é paulistano quando….


Rola uma PUTA VIBE GOSTOSA, MEU!!!!

Como passar um dia perfeito em São Paulo?

Com muito dinheiro.

Quais bandas/DJs nacionais você tem ouvido ultimamente?

Adoro Digitaria, Voz del Fuego e Jumbo Elektro. Nas pickups, ninguém é melhor que o Marcos Morceff.

O que Fortaleza tem que São Paulo vai demorar para conseguir?

Praias.

Em que bairro você mora? E o que há de interessante para se fazer nele?

Eu moro na Rebouças, que é um lugar de acesso a muitas coisas bacanas. Mas, normalmente, sempre saio de lá para me divertir. Adoro os restaurantes que têm nas áreas, em Pinheiros e nos Jardins também.

A mudança para São Paulo afetou de alguma forma o som que vocês faziam? Vocês
já compuseram alguma música pensando na cidade?

Nada mudou musicalmente. O que mudou foi quantas vezes elas ja foram executadas ao vivo, o que molda a canção. Mas 60% do album foi composto aqui, acho que isso traz uma certa identidade com o lugar que se vive. Acho “Superdrug”, uma música inédita nossa, super SP.

Depois dos shows, a larica da madrugada é onde?

Eita! Normalmente em casa, mas adoro a Bela Paulista, pena que seja tudo tão demorado.

Que música toca na cabeça de vocês quando chegam à cidade?
As nossas.

O que falta nas baladas paulistanas?

Acho que as baladas daqui são referência. Tá tudo certo!

Há algum refúgio na cidade para quando bate saudades de casa?

Não, é tudo muito diferente. Não tenho saudade do Ceará, só das pessoas que estão lá!

** Ouça Montage aqui.

Banda MONTAGE @ StudioSP // dia 24 de janeiro // Rua Inácio Pereira da Rocha, 170 – V. Madalena // abertura da casa: 22h // R$15 e R$10 (lista) // para mandar nomes na lista: studiosp@studiosp.org

Banda MONTAGE @ Parada da Paz // dia 25 de janeiro // Parque do Ibirapuera // Horário não confirmado.



2 Responses to “Especial Sampa 453 Anos: Macumba Electro-Rock”

  1. oi evelyn

  2. fotos