Cidade Limpa começa a valer (mais ou menos…)

retiraoutdoor.jpg

Como ja havia sido prometido, a Prefeitura começou nesta terça-feira a retirar os outdoors irregulares instalados na cidade. Como todos já sabem, a lei Cidade Limpa começou a vigorar em 2007 e proíbe a existência de quase toda a publicidade externa em Sampa.

As operações da Prefeitura tiveram início com uma ação de retirada de quatro outdoors na avenida Sumaré com a rua Turiassu, em Perdizes, zona oeste. A ação foi amplamente divulgada e contou com as presenças do prefeito Gilberto Kassab, do secretário de Coordenação das Subprefeituras e Subprefeito da Sé, Andrea Matarazzo e do Subprefeito da Lapa, Paulo Bressan.

As ações desta terça-feira se concentraram nas regiões das Subprefeituras Lapa, Vila Mariana, Sé, Pinheiros, Mooca, Aricanduva, Vila Maria/Vila Guilherme, Santana/Tucuruvi, Ipiranga, Butantã, Cidade Ademar, Penha e contabilizaram, até o momento, 42 outdoors retirados, númer ínfimo perto do total de outdoors espalhados pela cidade.

O grande problema é que as maiores empresas de publicidade externa conseguiram liminares na Justiça para evitar a remoção dos outdoors. Assim, a lei que deveria valer para todos e limpar as ruas da cidade, vale somente para os peixes pequenos, aqueles que não conseguiram uma liminar. Do Último Segundo:

Segundo a Emurb, a cidade apresenta 15 mil peças de publicidade. Após a instauração da lei, 8 mil peças foram consideradas irregulares. São elas qualquer elemento que não façam parte do imobiliário urbano, ou seja, peças de sinalização ou propaganda que não sejam do interesse público.

O Sampaist já disse ser a favor da aplicação integral da lei. Sabemos que a indústria da propaganda pode perder dinheiro e pessoas podem perder o emprego, mas é preciso fazer alguma coisa radical para começar a mudar a paisagem da cidade e esse pode ser um bom começo. Agora o Sampaist quer saber sua opinião: a lei Cidade Limpa é justa? Fale nos comentários!



2 Responses to “Cidade Limpa começa a valer (mais ou menos…)”

  1. Também sou a favor do cumprimento integral da lei. Ninguém vai perder emprego, a propaganda na cidade simplesmente vai se tornar mais inteligente, vertendo para outros e novos canais. A cidade ficará mais limpa (vide outras cidades do mundo que possuem leis parecidas, permitindo a propaganda apenas em locais específicos) e esta sujeira de Outdoor em local proibido vai acabar. Aceitar a permanência dos outdoors é ser complascente com mais um parasita público, como os vendedores ambulantes – contravenções e crimes que movem empregos e economia informal.

  2. Claro. Muito boa a lei! A cidade estava bizarra, com paineis brigando por espaço. Os paineis e outdoors até com a natureza brigavam, ja que pra deixar eles mais visíveis, erram arrancadas árvores.