Sampaist@City Jam Festival SP

lospato.jpg

O Sampaist não só falou do City Jam Festival como fez questão de conhecer de perto o projeto. O evento, que já aconteceu em Londres e deve se repetir em Nova Iorque, é organizado pela revista JungleDrums. A publicação, concebida por uma imigrante brasileira em Londres cansada dos estereótipos ingleses para a cultura tupiniquim, cresceu e passou a ser braço direito de um festival que abrange as mais diversas vertentes da arte contemporânea.

E a versão bandeirante aconteceu na última sexta-feira, dia 01, na Academia Brasileira de Circo. Quem esperou encontrar uma mega estrutra, pode ter se decepcionado, assim como quem foi até o local mais interessado na exposições do que nas bandas.

A disposição dos trabalhos era fraquinha, fraquinha, mesmo falando de nomes de peso como Arnaldo Antunes e Fernando Gonsales. Uma pena!

“De tanto eu te falar você subverteu o que era um sentimento e assim
Fez dele razão
Pra se perder no abismo que é pensar e sentir”, Sentimental – Los Hermanos

Mesmo indo contra a regra atual de shows no Brasil, o som estava legal e o lugar onde eram realizadas as apresentações bastante amistoso. Espaço não foi problema. A cerveja era barata – R$ 3,00, podendo inclusive optar pela promoção de 4 por R$10,00 – e os banheiros limpos – e com papel higiênico a noite toda.

Hurtmold, cujas camisetinhas podiam ser compradas logo na entrada do picadeiro – isso mesmo, afinal TUDO acontecia dentro de um circo -, mostrou um som maduro, versátil, responsável, mas pouco interessante para a maioria que foi até o local pensando em Los Hermanos. Bom, quem gosta da proposta descompromissada da banda, se esbaldou. E com toda a razão!

O apogeu do City Jam Festival@SP certamente aconteceu quando o palhaço – meio sem graça, é bem verdade – apresentou os barbudos mais legais do Brasil. Quem estava sentado levantou rapidinho para curtir o último show da turnê “4″ em São Paulo. Diferente da recente apresentação paulista, que aconteceu exatamente há 1 mês, no Citibank Hall, a banda carioca deixou de lado o “jeito deprê de ser” e fez um show animadíssimo, com direito a inéditas performances de Marcelo Camelo, o tímido da banda.


Camelo chegou ao palco elegante, mas bastaram 5 minutos para o “também” vocalista jogar para o alto seu terno risca de giz e mostrar ao público – o mais variado possível – sua veia rock’n'roll.

Rodrigo Amarante , empolgado como sempre, levou a galera ao delírio quando pediu: “Toca ‘aquela’, Marcelo!”. “Aquela”, também conhecida como Anna Júlia, surpreendeu aos que assistiam ao show, acostumados a não escutar tal canção nas recentes apresentações.

Feliz e dançante. Foi assim que Los Hermanos preferiu se despedir de São Paulo. Sem “Sentimental”, “De onde vem a calma”, “Veja bem, meu bem” ou “O velho e o moço”, mas com confete e muita serpentina.

Imagem//Legenda: Flyer dos shows de Los Hermanos e Pato Fu no City Jam Festival
Foto//Crédito: Divulgação



One Response to “Sampaist@City Jam Festival SP”

  1. Kd as fotos????