Manifestação tem mais policiais do que estudantes, mas o Lembo foi queimado

lembroqueimado.jpg

O post e as fotos abaixo foram contribuções do jornalista Antonio Sergio Spagnuolo, editor do MundoMídia.net. Se você quiser enviar um texto sobre o que acontece na cidade de São Paulo ao Sampaist, basta entrar em contato!

Cerca de 200 manifestantes foram do Masp, na Av. Paulista, até a prefeitura de São Paulo, no centro, para protestar contra o aumento tarifário nos ônibus paulistanos, que entrará em vigor na quinta-feira, 30, sob a rigidez das autoridades locais.

Acontece que a polícia mobilizou quase 290 homens para a passeata, sendo que 138 se revezaram para acompanhar o grupo e 150 ficaram no stand by caso os estudantes atacassem os primeiros ou civis inocentes com bandeiras ou gritos de indignação. A imponente presença da força policial paulistana não intimidou os jovens. Pelo contrário. Só os deixou com mais euforia. “Polícia é pra bandido e não pra estudante”, gritavam do carro de som, sendo ecoados por quem estava na rua, acompanhando.

lembrovivo.jpg Gustavo Petta, presidente da UNE, gritava indignado contra o “abuso” do aumento da passagem do coletivo e perguntava a si mesmo e aos colegas por que a polícia estava lá daquela forma ostensiva, com suas motos Falcon brancas, pretas e vermelhas, cores do campeão brasileiro atual?

Galera

“Sou estudante, tenho coragem, sou contra o aumento da passagem” era a música cantada em diferentes ritmos pela chamada “galera” que acompanhava o carro de som. Deram bolada até nos sem-terra: “Sem-terra é meu amigo, mexeu com ele mexeu comigo”, cantaram.

Na frente da prefeitura, na qual não se encontrava o prefeito Gilberto Kassab, mais tido como um mão-de-ferro do que como um líder municipal, foi queimado um caixão improvisado do Lembo como forma de protesto. Mas Kassab estava longe dali.

Não importou muito: o governador foi queimado, e a multidão promete voltar a se manifestar e queimar de novo, os dois. Ser queimado duas vezes deve ser uma sensação horrível. Kassab pode ter sua primeira vez na fogueira. Simbolicamente a segunda.

Fazia calor na manhã, começo de tarde, desta terça-feira, 28 de novembro de 2007. E os estudantes transpiravam. Mais euforia do que suor.

Texto e fotos: Antonio Sergio Spagnuolo



Comments are closed.