Um poste = uma árvore

postearvore.jpg O quadrilátero de lojas mais chique e esnobe do Brasil inaugurou “seu marco efetivo de transformação”. A cerimônia de retirada dos primeiros postes da rua Oscar Freire, que deveria ocorrer ontem, foi adiada para a noite desta quinta-feira (23) às 20 horas, devido ao intenso trânsito de veículos e pedestres que se formou na tarde de ontem.

A dupla formada pelo engenheiro encarregado da Eletropaulo, Daniel Bento e a presidente da Associação dos Lojistas da Oscar Freire, Rosângela Lyra, retirou definitivamente o primeiro poste, na esquina da Oscar Freire com a rua Haddock Lobo.

No lugar de cada poste do quarteirão será plantada uma árvore. “Estamos fazendo uma rua nova, inédita em São Paulo, que irá valorizar a qualidade da vida e o respeito ao meio ambiente”, diz a empresária, que também é diretora da Dior.

Apesar da brincadeira sobre o “quadrilátero esnobe“, a iniciativa da Associação de Lojistas da Oscar Freire é louvável. Eles conseguiram reunir 104 lojas da região para revitalizar as ruas, calçadas e arredores, valorizando ainda mais o patrimônio urbano.

Seria bom se outras associações, com mais ou menos poder aquisitivo, fizessem seus próprios projetos locais, sem ficar esperando pela ação do do poder público. O que você acha? Conhece outras iniciativas locais que buscam melhorar o espaço urbano? Deixe seus comentários!

A imagem do projeto é de divulgação.
Atualizado em 23/11 – 14h



2 Responses to “Um poste = uma árvore”

  1. Se não me falha a memória, o pessoal da Rua João Cachoeira, no Itaim, também se organizou para dar uma reformulada na rua, trocar calçadas, melhorar o esquema de estacionamento e colocar uns banquinhos, o que ficou bem simpático. E a Rua Amauri passou por uma looooooonga reforma, também por conta própria dos empresários.
    Voltando à programação normal, o que eu gostaria mesmo que tivesse acontecido é que os lojistas da José Paulino tivessem conseguido fazer com que rolasse uma saída do metrô Luz mais perto deles, andar aquele pedacinho carregada de sacolas não é fácil, ainda mais que agora você não consegue voltar para o metrô pela estação de trem (o que eu acho o fim da picada, aliás).

  2. Acho uma excelente a iniciativa. E uma pena não ser uma realidade para outros espaços pelo menos. Pagamos tantos impostos, mas no final da roubalheira política sobra pouco para beneficiar o cidadão. As associações de bairro ou de ruas são o melhor caminho para melhorar a qualidade de vida de pelo menos alguns cantinhos da cidade.