São Paulo quer dançar!

logomashup.jpg
A dupla de fanáticos por “música boa” Alexandre Matias e Luciano Kalatalo promove hoje mais uma edição da festa “Gente Bonita Clima de Paquera”.

Eles partem da premissa de que “música boa” é simplesmente aquela que te faz dançar: sem gêneros definidos, ou segmentações. O clima tem sempre que ser o de festa.

Um movimento contra o carão tão famoso do público-blasé paulistano?

Kalatalo é fanzineiro das antigas, geek confesso de internet, e grande colecionador de “pérolas” da pista. Matias, jornalista sem papas na língua, tem um dos blogs mais legais da cidade, além do inovador “blog de jornalismo oral”, com podcasts certeiros das músicas “do momento”.

E o mais interessante disso tudo é que, a “música do momento” aqui, pode ser aquela que bombou na pista em 1988. Não se assuste se no meio daquela musiquinha-bomba-pista do New Order, entrar a Madonna com seu colant em “Hang Up”. Trata-se de um “mashup”, estilo que une duas músicas em uma só, criando um terceito elemento confuso, porém…dançante!

Conversamos com a dupla-mashup para saber se o paulistano manda bem na pista:

festamashup.jpg O que falta nas noites de São Paulo?

Lugares para se divertir sem patrulha, segmentação. Chega desta coisa da “turma do rock”, o cantinho dos clubbers ou o refúgio dos indies deprimidos. Adoramos novidades, mas quando as pessoas saem à noite, não querem nem saber o que está tocando – querem dançar, encontrar gente legal, conhecer pessoas novas. O nome da festa é um reflexo deste astral que queremos passar – a noite como um lugar positivo. Nossa festa é uma resposta a isto, tocamos música boa para dançar, independente de gênero – apenas as melhores.

Quais as baladas mais divertidas da cidade? Tirando a festa de vocês, claro.

São muitas. Aqui em Sampa você tem o benefício da dúvida, mas vai depender muito do seu estado espírito. A noite daqui atualmente deve certamente ser uma das melhores do mundo – e dependendo da sua praia, dá pra circular por meios completamente diferentes. Assumindo que é uma cidade noturna, a cidade está descobrindo, literalmente, a sua praia. Casas como Vegas, Berlin, Studio SP, Mood, Milo Garage, CB, D-Edge, A Lôca, Outs, Sarajevo, Funhouse, Toy Lounge, Treze são a praias daqui – é aqui que o paulistano e os “paulistamos” (como nós, que somos de Brasília) saímos para desestressar e se esbaldar. A praia de São Paulo é a “balada” – assim mesmo, em paulistanês – e as pessoas não precisam passar protetor pra “pegar um som”.

Qual o papel do DJ na noite, e o quanto ele influencia no “clima de paquera”?

Ora, ele é o responsável por tudo, está na mão dele o sucesso da noite ou não. Basta vocês lembrarem o que acontecia quando tocava “Take My Breath Away” nos idos dos 80.

Música boa é aquela que…

Aquela que você sai correndo para pista e dança por impulso.

Qual o TOP 5 para pista hoje?

Kalatalo:
Madonna – Hang Up ( diplo remix)
Horny as a Dandy – Loo & Placido
Till the End of the Day – Kinks
Get It On – T-Rex
Young Folks – Peter bjorn and John

Matias:
Mamãe Quero Ser Capitalista – João Brasil
Straight Up – Paula Abdul
My Love (DFA Mix) – Justin Timberlake
Part-Time Lover – Stevie Wonder
Don Gon Do It – Rapture

Um DJ não deve…

Querer aparecer mais que a pista. Não precisa complicar, o mantra deve ser “sempre tocar música boa para dançar”. Ou, “gatas na pista”. Sempre que mulher bonita dança, libera a pista para todas as outras pessoas se soltarem. É a senha pra festa bombar.

Por que o “mashup”?

É um reflexo do bombardeio de informações que vivemos. Tendo acesso a tanta música, expandimos os horizontes do nosso gosto musical, e este acúmulo desenfreado nos faz ao mesmo tempo reciclar tudo que gostamos ouvir. Disto surgem versões de canções que a princípio não teriam sentido algum, garanto que ouvir um mix de AC/DC com Cristina Aguilera pode ser uma experiência única. E o mashup é um gênero nascido e criado na internet, seja no momento da sua concepção (os softwares de mixagem e a fonte dos mp3), ou na sua disseminação (pois não existem discos oficiais, já que de acordo com a visão atual das grandes gravadoras, o bastard pop inflige as leis) através de sites e redes de compartilhamento de arquivos.

Para o leitor do Sampaist que nunca ouviu um mashup antes, por onde começar?

Inclua as seguintes palavras chaves no google: “mashup” “bastard pop” “mp3″, e um novo mundo irá surgir.

Paulistano é bom de pista? E de paquera?

Os paulistanos não sei, as paulistanas sim :)

Gente Bonita Clima de Paquera // Hoje, 17 de novembro // Discotecagem: Luciano Kalatalo, Alexandre Matias e Dj Mulher (convidada) // Bar Treze – Rua Alagoas, 852 Higienopólis (em frente à Faap) // Telefone: 11 3666-0723 // Horário: A partir das 23h // Preço(s): R$ 10,00 ou R$ 5,00 (desconto no site: www.gentebonita.org)



One Response to “São Paulo quer dançar!”

  1. Adorei Get It On, do T-Rex no TOP 5. Essa é a música que corro para a pista!
    Concordo com tudo o que eles disseram aí. Festa é pra dançar!