$alvem as Bolacha$

vinil1.jpg Talvez tenha passado em branco, mas uma notícia do caderno Ilustrada pegou muita gente de surpresa: tem gringo pagando até R$4 mil reais por vinis nacionais!

Ou melhor, UM vinil nacional raro e da mais pura “psicodelia nordestina”. A “bolacha” mais valiosa no momento é o “Paêbirú”, de Zé Ramalho e Lula Côrtes, deixando para trás o “Louco por Você”, de Roberto Carlos, até então o mais caro.

Mercado ainda discreto, os leilões em sites especializados pagam e muito por pérolas nacionais. Músicos, colecionadores, e curiosos: todos atrás de um bom vinil com o melhor – ou não – da música popular brasileira.

Segundo a Folha de São Paulo, o álbum teve sua cotação alavancada porque além de raro, “Paêbirú” tem “uma aura quase mística. A fábrica e estúdio Rozenblit, onde o álbum foi produzido, foi inundada por uma enchente que atingiu Recife em 1975 e milhares de cópias foram perdidas –salvaram-se cerca de 300, que a mulher de Côrtes, Kátia Mesel, havia levado para sua casa.”

A reportagem não dá o endereço da mina, mas mostra alguns donos de sebo que possuem a raridade (provavelmente ainda mais cara agora).

Separamos algumas lojas de vinil em São Paulo indicadas por amigos. Corra garimpar o seu. Nunca se sabe qual vai ser a bolacha da vez!

** A Praça Benedito Calixto é ponto de encontro dos apaixonados por vinil. Além do ambiente agradável – que adoramos, dá para trocar dicas e pechinchar sem vergonha.

** A sempre citada e “pioneira dos independentes”: “Baratos Afins”, lá no Centrão.

** Já que você está no Centrão, perambule, pois a maioria dos sebos estão por lá. Também fique de olho nas banquinhas tradicionais perto de bancas de jornais na Praça da República. A “Cosmic Records” (com algumas raridades dos anos 70) e a “Disco 7″ são obrigatórias.

** Para vinis ‘usados mas em bom estado’, as lojas “Eric Discos” em Pinheiros e “Nuvem Nove” no Itaim foram as mais citadas. As duas contam com clássicos do rock e uma boa seleção de álbuns nacionais. Apesar do preço um pouco salgado, não dá para sair sem nada. Você corre o risco de voltar e não achar mais aquele Walter Franco dando sopa na estante.

** Do Ipiranga vem a dica do “Museu do Vinil”, uma garagem discreta e com achados.

Você conhece alguma lojinha de vinil ou sebo em seu bairro? Pra já!

Foto Flickr Sampaist

Baratos Afins // Avenida São João, 439, loja 318, 2° andar – Centro // Tel: 3223 3629

Cosmic Records // Rua 24 de maio, 62, loja 317 – Centro // Tel: 3221 0784

Disco 7 // Rua 7 de abril, 154, 1° andar – Centro // Tel: 3231 1193

Eric Discos // Rua Artur de Azevedo, 1813 – Pinheiros // Tel: 3081 8252

Museu do Vinil // Rua Cisplatina, 502 – Ipiranga // Tel: 5062-6387

Nuvem Nove // Rua Clodomiro Amazonas,128 – Itaim Bibi // Tel:3078-7051



2 Responses to “$alvem as Bolacha$”

  1. Eu que vou juntar meus vinis e gibis pra montar um banquinha na Benedito! Que internet e blog q nada, o futuro é Camelô 2.0!

  2. pensei nisso hoje! tenho uns brinquedos dos anos 80 em casa que valem ouro na Benedito. Algumas raridades em vinil também, claro. Quanto vale trilhas de novela da Globo das antigas? Tipo Roque Santeiro?