Aeroporto de Congonhas inaugura hoje um mural de Romero Britto

CONGONHAS.jpg

O Aeroporto de Congonhas foi construído em 1936 para que a cidade tivesse uma pista livre da ameaça das enchentes, comuns ao aeroporto Campo de Marte utilizado anteriormente.

Entre as décadas de 60 e 70, um dos salões do aeroporto, com vista para a pista, era usado para festas luxuosas, e o local era considerado um dos melhores para o almoço de domingo.

Atualmente, Congonhas é símbolo do vaivém da capital. Cerca de 18 milhões de passageiros circulam pelo aeroporto por ano.

Pois não é à toa que hoje o saguão do Serviço Regional de Proteção ao Vôo de São Paulo, próximo a Sala de Desembarque, receberá um mural do artista plástico Romero Britto.

Intitulada 14-Bis, em homenagem aos 100 anos do vôo do avião inventado por Santos-Dumont, será inaugurada, às 15h30, e deve ser admirada por mais de 40 mil pessoas que transitam diariamente pelo espaço.

Foto do Flickr lauromaia



4 Responses to “Aeroporto de Congonhas inaugura hoje um mural de Romero Britto”

  1. Sensacional!!!

    Só falta rolar uma baladinha no aeroporto..a la glamour saudosista..aí vai ser demais!

    Não robem minha idéia einnn!! ;)

  2. Tenho minhas ressalvas quanto ao Romero Brito, but….
    Prefiro ver antes de tecer comentários…hehehe

  3. Principe das cores, Romero Britto veio alegrar, colorir um ambiente as vezes cinza, as vezes marcado por transtornos.

    Romero Britto trouce também o poder de viajar, a viajem imaginária…

  4. Não estamos na epoca dos “tombamentos”? Vejam que linda ficou a Estação da Luz. Ta na hora de fazer o mesmo com o aeroporto de Congonhas, para ficar mais elegante deixem só os aviões pequenos lá, que é o que convem para uma pista de menos de 2.000?????, porque na decada de 70 a pista de Pirassununga já tinha mais de 3.000????
    Seria muito bom se as autoridades levassem as coisas mais a serio, talves fosse interessante tbm colocar um lugar para todos que passassem em Congonhas pudessem deixar sua assinatura,pois realmente tem sido uma verdadeira “Romaria”,se é que me entendem.
    Flavia