Monjolo e a Cidade Sam(b)a

monjoloentrevista.JPG A banda Monjolofoi assunto aqui no Sampaist.

Foi amor à primeira vista: os pernambucanos se mudaram de vez para a cidade, montaram uma banda de conterrâneos, e desde então, a lista de shows só aumenta.

Samba pesado, rock dançante… eles preferem dizer que fazem “música brasileira vibrante”.

Coversamos com o letrista do grupo (Alfaia) para entender um pouco mais de onde veio o amor pelo samba – e por Sampa.

Como a cidade influenciou nas letras da banda?

Bem, influencia muito porque é a cidade onde a gente vive e onde a banda nasceu. Tem uma letra que eu fiz, exatamente pra homenagear Sampa, do meu jeito, lógico. O nome é “cidade samba” mas no encarte do disco existe um (P), assim mesmo, ao lado da palavra samba, para as pessoas trocarem o b pelo p e ficar evidente de “quem” estou falando. Tem gente que diz que é uma letra “lado b” da famosa “Sampa” porque dá pra sentir nela um carinho pela cidade mas, não “analisa” muito na descrição das suas idiossincrasias.

Então Sampa é Samba?

Eu acho São Paulo a cidade que mais curte ritmos no Brasil, do funk ao samba, do eletro ao maracatu, tudo tem espaço e a moçada se joga bonito…Por isso nessa letra faço a cidade sambar dentro do espaço poético que me cabe nesse latifúndio onde estão reunidas todas as tendências e tribos, etnias e seus rituais, que “atende” pelo nome de Cidade de São
Paulo.

Vocês mudaram a sonoridade do grupo depois de terem fixado residência aqui? Isso é bom ou ruim?

A banda nasceu aqui, nós não viemos pra cá como uma banda. Nós morávamos na cidade e frequentávamos as mesmas rodas de malandragem, casas de amigos, etc. Então nos juntamos e começamos a tocar. Claro que o fato de todos terem vindo de Recife ajudou na hora de trocar as figurinhas musicais, as mesmas referências e tal…. Mas não dá pra dizer se mudou, porque a banda já nasceu “mudada”.

Monjolo é mais São Paulo que Pernambuco?

O Monjolo nasceu em Sampa com o signo da hibridez por termos vindo de Recife… Com certeza a cidade influencia a banda, mas não sei identificar o quanto, quais são os limites dessa infuência na música. Prefiro dizer que o Monjolo é uma banda do Brasil e que aqui em São Paulo o Brasil se reúne pra trabalhar, beber e jogar conversa fiada tomando um chopp, mais ou menos o que nós do Monjolo adoramos fazer, não nescessariamente nessa ordem. Nunca tocamos em Pernambuco, no entanto, há mais de ano, fazemos shows toda semana por aqui. É a cidade que nos acolhe, que nos viu nascer como banda e que a gente ama morar. Simples assim.

Simples assim!

A maratona de shows no mês de outubro só termina no dia 26! Confira a agenda abaixo.

Dia 19/10: o Monjolo toca na festa “Groove Calças Quentes”, comandada pelos DJs MZK, Don KB e Nego Billy no Berlin Bar.

No dia 24/10: a banda volta a se apresentar no Clube Belfiore.

Dia 26/10: showzinho no Bleecker St., repetindo a dobradinha com a banda de ska paulistana Firebug.

Leia o que já foi dito sobre o Monjolo.

Ouça “Samba do Seqüestro”.

* Berlin Bar // Rua: Cônego Vicente Miguel Marino, 85 // Barra Funda // 23 horas // Ingressos: R$ 12 e R$ 8 // Tel: 3392-4594
* Clube Belfiore // Rua: Brigadeiro Galvão, 871 Barra Funda // 22 horas // Ingressos: R$ 15 e R$ 10 // Tel: 3666-8971
* Bleecker St. // Rua Inácio Pereira da Rocha, 367 – Vila Madalena // 22 horas // Ingressos: R$ 15 e R$ 10 // Tel: 3032-3697 / 3032-8271



One Response to “Monjolo e a Cidade Sam(b)a”

  1. passei pra conhecer o blog, e prestigiar o espaço! parabéns!