Eles são cariocas, mas os paulistanos ADORAM

hermanos.jpg

“Ai, esqueci o meu ingresso no carro”, dizia a adolescente de, aproximadamente, 19 anos. “Sabe, odeio fazer a minha unha e dormir”, completava a amiga que vestia uma camiseta igual a da terceira colega.

Quem acreditou encontrar uma galera mais velha no show dos Los Hermanos, que aconteceu nessa última sexta-feira, 01, no Citibank Hall (ex-Directv Hall e ex-Palace), caiu do cavalo literalmente. Boa parte do público que lotou a casa não passava dos “vinte e pouquinhos”, fato que fez com que TODOS os presentes tivessem de ganhar um carimbinho na mão para provar maioridade e, conseqüentemente, comprar cerveja.

A banda paulista Hurtmold abriu a noite e não fez feio apesar da curta apresentação. Suas músicas, cuja maioria não possui vocal, chamaram a atenção do público, que acompanhou o show na íntegra. Boa oportunidade para quem nunca conferiu o som dos caras.

22h04
Caramba, o show já começou! Vamos correr; não quero perder o Hurtmold!, dizia uma garota na fila, enquanto abria a bolsa ofegante, pedindo para a segurança correr.

E eis que chega o grande momento:os Los Hermanos entram no palco e os gritinhos “Uhhhhhhhhhhh” tomam conta da pista. E como não entrar no clima seria um puro desperdício, o Sampaist, nessa ocasião representado pela escriba que vos fala, deixou-se embalar pelo som e curtiu todos os momentos até as luzes se acenderem.

Algumas canções do “4″, último álbum da banda, fizeram parte do repertório, mas as grandes responsáveis pelo delírio coletivo foram as músicas do “Bloco do Eu Sozinho” (2001) e do sucesso “Ventura” (2003).

O show transcorreu intercalando momento de calmaria e de pura agitação. Como de praxe, Marcelo Camelo fez sua parte ao emocionar a galera tocando “De onde vem a calma”, enquanto Rodrigo Amarante detonava a guitarra com seus solinhos geniais, alfinetando alguém ou alguma coisa sempre que possível.

Como também já era de se esperar, a “molecada” presente fez questão de pedir “Anna Júlia”, primeiro sucesso da banda, e de gritar “Toca Raul”. Claro que boa parte da palhaçada diminuiu, consideravelmente, depois que Amarante “fez-se presente”, dando mais uma de suas “sutis” alfinetadas; desta vez afirmando a necessidade de segurar a empolgação vez ou outra.

Citibank Hall? Não sei por que essas casas mudam tanto de nome. Directv Hall, Citbank Hall…para mim aqui continua sendo o Palace. Antigamente as casas de shows costumavam receber nomes de pessoas que mereciam alguma homenagem, ressaltou Amarante durante uma breve pausa, entre uma música e outra.

A banda também não pareceria muito feliz com a infra-estrura do local. Em um determinado momento do show, Amarante soltou um desabafo: “Os outros nos escutam. Nós nunca nos escutamos mesmo”, provavelmente referindo-se a algum problema de retorno do som.

Neste sábado acontece a segunda apresentação, no mesmo local, às 22h. Segundo o site oficial, os ingressos para a baladinha desta noite já estão esgotados. Quem abre o show de hoje é a banda nordestina Cidadão Instigado, cuja qualidade, diga-se de passagem, é incontestável.



Comments are closed.