Noites do Terror III: o real fim dos tempos

Antes postar tarde do que nunca… ;)

Para finalizar a narração da noite de horrores que o Sampaist passou no Playcenter, contada anteriormente por Lucasof e Marcela, preciso dizer que nem o frio, nem os monstros assustaram tanto quanto a versão esdrúxula de “Smell Like Teen Spirit” que o Drácula realizou no palco principal. Embromation é pouco para traduzir a performance!

Lá pelas 21h e tantos os freqüentadores, animados demais, começaram a agarrar os monstros tentando provar suas próprias similaridades com os seres das profundezas. Corinthianos irritados com a recém classificação do São Paulo ameaçaram “pegar” um torcedor identificado pelo uso da camiseta oficial do clube. Galanteios chulos eram disparados a qualquer vulto vagamente identificado como mulher e as garotas, rindo como se a situação fosse uma piada, passaram a andar em grupos, talvez disfarçando no fundo uma certa apreensão.

Os brinquedos começaram a fechar, mas os freqüentadores mais ávidos não queriam ir embora e pulavam as grades fechadas, gerando conflitos com os pouquíssimos seguranças do local. Foi nessa hora que resolvemos ir embora! A idéia da Noites do Terror é bacana, divertida, mas também bastante perigosa. A estrutura precisaria de mais segurança e os freqüentadores, no mínimo, de mais educação.



One Response to “Noites do Terror III: o real fim dos tempos”

  1. eu tenho medo ‘dessa parte’ do evento. e acho que devo ter assistido muito filme de terror por aí: sempre acho que vai ter um psicopata infiltrado ali no meio.