Seu Minuto, Meu Segundo

gramsampa.JPG “Você só me fez mudar, mas depois mudou de mim”.

Você já ouviu essa (trágica) frase em algum lugar. Ou já a repetiu para alguém naquele momento drama básico.

Se não dá para lembrar de onde ela saiu, fica mais fácil lembrar do “clipe do gatinho”!

Essa frase triste marca a música “Você pode ir na Janela”, do quinteto paulistano GRAM.

Quando se ouve o CD de estréia da banda (de 2003, mas relançado em 2004 pela Deckdisc) é impossível escapar das imagens criadas pelo letrista Sérgio Filho.

Com letras em português, são essas pequenas cenas de amores frustrados ou nem tanto, que marcam a audição, antes de qualquer melodia.

Ao ouvir com um pouco mais de atenção, as imagens dão espaço merecido às texturas de guitarra, às influências do rock britânico (mais precisamente Radiohead, Travis e Coldplay) e à homenagem quase que obrigatória aos Beatles.

São distorções, efeitos de pedais, o piano marcante, e…as cenas. Cada música conta uma história forte, é difícil não se identificar com uma delas.

Disseram uma vez que o GRAM é trágico-fofo. Tudo bem que o “Emo” ainda não existia, mas a definição “Emo” é tão ampla que até Wander Wildner caberia nela. Trágico-fofo é mais coerente: aqui, o sofredor não exibe com orgulho aquele ‘chororô’ todo. Ele não é um perdedor convicto pedindo para que chorem por ele. O cara triste do Gram é aquele que segue em frente, e já parte pra outra. E ainda cria em cima disso.

Os integrantes Sérgio, Luiz e Marco são artistas em mais de um sentido: trabalham como designers e ilustradores. Os três assinaram os cenários do DVD da banda, lançado pela MTV esse ano. A capa do DVD foi feita por Luiz Ribalta (guitarra e violão), a ilustração dos menus e as projeções de quatro músicas são do vocalista (e que no palco também comanda o piano, sintetizador, violão e guitarra), e Marco Loschiavo (guitarra) dirigiu, editou e fez os grafismos de duas projeções. Deu para entender de onde vem o apelo visual que se “ouve” no CD? Para completar o time, Fernando Falvo (bateria), e Marcello Pagotto (baixo e vocal).

Ao vivo, GRAM destoa da cena ‘roqueira’ pelo perfeccionismo: parece que nasceu pronta. Não tem aquele momento desafinado, aquele despreparo proposital e o desleixo esperado de uma banda da cena. Aliás, a pose bacana de rockstar ali não existe (só se for a do vocalista, em um dos seus momentos Chris Martin). É tudo profissional, sem atraso, sem erro. Suor só do próprio Sérgio, que esbraveja ao microfone, troca de instrumento, martela o piano, sola na guitarra, e até, muitas vezes, faz as três coisas ao mesmo tempo. Marco é o guitarrista rebelde. Ele toca em um mundo paralelo, e só sai do transe quando desce do palco. A impressão é que ele vai se jogar no mosh, ou destruir todos os instrumentos no final da apresentação. Mas fica na impressão.

Em temporada na festa rock do StudioSP, o quinteto apresenta músicas do novo CD “Seu Minuto, Meu Segundo”, que chega às lojas em setembro.

A música de trabalho “Antes do Fim” virou clipe e tem estréia marcada para o dia 15 de agosto na MTV! Para o show de hoje, a banda fará uma pré-estréia do vídeo e ainda conta com uma participação especial da cantora Pitty.

A picape fica com o jornalista-DJ (ou vice-versa) Lúcio Ribeiro. Sampaist estará lá, venha fazer uma social e se jogar na pista com a gente!

Veja o famoso clipe do gatinho: “Você pode ir na janela”

Foto de divulgação.

GRAM no Studio SP // Rua Inácio Pereira da Rocha 170 – Vila Madalena // Dias 11, 18 e 25 de agosto (sextas-feiras) // às 23h30 // R$ 15 e R$ 10 (com nome na lista para studiosp@studiosp.org ) // DJs Residentes: Lúcio Ribeiro (Popload) e .guab. (.mixtape.) // telefone: 3817-5425 // site: http://www.studiosp.org



Comments are closed.