Cinema “made in Brazil”

cartaz.jpgO Sampaist apoia SIM o cinema brasileiro. Acontece na próxima quinta-feira, dia 10, a pré-estréia de “O Sol – Caminhando contra o vento”, no Espaço Unibanco (um daqueles sensacionais cinemas de rua).

O documentário reúne pessoas que participaram do jornal-escola “O Sol”, ícone do jornalismo nacional, que circulou no final da década de 60.

Dirigido e produzido por Tetê Moraes, o filme traz importantes nomes da música como Gilberto Gil, Caetano Veloso e Chico Buarque. Participam também da produção Carlos Heitor Cony, Zuenir Ventura, Arnaldo Jabor, Betty Faria, Fernando Gabeira, Gilberto Braga, Ziraldo, Daniel Azulay, entre outros.

Embalado pela canção “Alegria Alegria” de Caetano Veloso, o documentário tem estréia prevista para o dia 11 de agosto e chega a 8 capitais brasileiras.

Curiosidades: o jornal carioca “O Sol” durou apenas seis meses e era encartado no Jornal dos Sports. Apesar de sua vida curta, a publicação marcou a década de ouro dos anos 60 e firmou-se como um marco cultural em plena época de Ditadura, quando a liberdade de expressão era tida por muitos como uma vitória.

Alegria Alegria

Caminhando contra o vento
Sem lenço, sem documento
No sol de quase dezembro
Eu vou

O sol se reparte em crimes,
Espaçonaves, guerrilhas
Em cardinales bonitas
Eu vou

Em caras de presidentes
Em grandes beijos de amor
Em dentes, pernas, bandeiras
Bomba e brigitte bardot
O sol nas bancas de revista
Me enche de alegria e preguiça
Quem lê tanta notícia
Eu vou

Por entre fotos e nomes
Os olhos cheios de cores
O peito cheio de amores vãos
Eu vou
Por que não, por que não

Ela pensa em casamento
E eu nunca mais fui à escola
Sem lenço, sem documento,
Eu vou

Eu tomo uma coca-cola
Ela pensa em casamento
E uma canção me consola
Eu vou

Por entre fotos e nomes
Sem livros e sem fuzil
Sem fome sem telefone
No coração do brasil

Ela nem sabe até pensei
Em cantar na televisão
O sol é tão bonito
Eu vou
Sem lenço, sem documento
Nada no bolso ou nas mãos
Eu quero seguir vivendo, amor
Eu vou
Por que não, por que não…



Comments are closed.