Sampa chora

“Meu coração
Não sei porque
Bate feliz, quando te vê
E os meus olhos ficam sorrindo
E pelas ruas vão te seguindo
Mas mesmo assim, foges de mim…”

A música é Carinhoso, de Pixinguinha e João de Barro. Talvez este seja o choro, ou chorinho, mais conhecido do Páis, cantado por muitas vozes, como a de Elis Regina e por aí vai. A canção é de 1917, mas o estilo surgiu em 1870, quando nossos músicos abrasileiraram o jeito de tocar o que os europeus gostavam de ouvir, como a valsa.

A flauta, o bandolim, o cavaquinho, o violão de sete cordas e pandeiro dão vida ao estilo de nome triste. O choro ganhou mais vida com composições de Chiquinha Gonzaga, Enersto Nazareth e claro, Pixinguinha. A riqueza está nas improvisações dos chorões.

Se você pensa que o choro ficou no passado, enganou-se. Neste mês, o Centro Cultural Banco do Brasil traz o projeto “Intervalos Musicais Especial” com as apresentações dos grupos Moderna Tradição, Choro Elétrico e Cacique Jazz Combo e Rita Braga.

Anote aí os dias e horários das apresentações:

18/7 – Moderna Tradição (Benjamin Taubikin, Proveta, Guello e Isaías)
25/7 – Choro Elétrico (Lucas de Rosa, Eduardo Lobo, Daniel Muller e Danilo Penteado)
01/8 (Agosto) – Cacique Jazz Combo e Rita Braga

Horários: às 13h e 19h30 // Preço: R$ 2,00 (inteira) e R$1,00 (meia) // Local: Teatro do CCBB (130 Lugares) – Rua Álvares Penteado – 112 -Esquina com a Rua da Quitanda – Centro – SP // Informações: (11) 3113-3651 ou 3113-3652



Comments are closed.