Pegue, cheire, ouça, escute, sinta a arte

Pina1.jpg Arte é aquela coisa que olhamos, admirados, pensativos, horrorizados e mais um sem-fim de adjetivos, mas quase sempre que a tocamos ou chegamos muito perto um alarme soa ou um guarda olha feio.

Para quebrar esse estigma e levá-la ao alcance dos nossos outros sentidos, buscando a inclusão social de portadores de necessidades especiais, a Pinacoteca do Estado de São Paulo – que fica em um prédio lindo e merece um post só sobre isso, aguardem – e a Visa do Brasil organizaram o Programa Educativo Públicos Especiais.

pina2.jpg Fazendo uso de recursos multisensoriais, os educadores incitam as pessoas a reconhecerem uma obra de arte, seja por meio do olfato, da audição, da visão ou mesmo tateando as obras do acervo da Pinacoteca.

“Esse é o primeiro passo para que o portador de necessidades especiais seja incluído no mundo da arte. Primeiro ele conhece o espaço, as formas, as feições das esculturas, para depois falarmos sobre a obra em si e seu autor”, explica Amanda Tojal, coordenadora do Programa Educativo Públicos Especiais.

Em seguida, os visitantes são levados a mergulhar na arte da pintura. Para isso foram desenvolvidos diversos recursos, como a reprodução da pintura em relevo ou uma mini-maquete de algumas obras.

Dependendo do público e de sua limitação, utiliza-se certo tipo de material. Para aqueles que possuem deficiência auditiva, por exemplo, são disponibilizados jogos de palavras para que possam associar às obras.

No caso de pessoas com deficiência visual, as maquetes possuem, além de textura e cheiro, sonorização. Também faz parte do material um catálogo adaptado com textos e imagens em tinta e Braille, simultaneamente.

Pé no Metro, desça na Luz e sinta a arte como nunca antes!

Pinacoteca do Estado // Praça da Luz, 2 // Tel: 3229-9844



Comments are closed.