A Volta do Boêmio Misterioso

bar1.jpg

Quem será ele? Aproveitando o post sobre a Torre do Prédio do Banespa, vale a pena dar uma esticada ali pelo centro, e de quebra, esbarrar com figuras que só existem no nosso ‘centrão’. (Leia mais abaixo e ajude-nos a decifrar esse mistério.)

Tão escondido a ponto de ter no site três mapas diferentes com setas e instruções específicas, o “Clubinho”, como é carinhosamente chamado pelos freqüentadores antigos, é relíquia paulistana.

Estrategicamente instalado entre dois pontos turísticos da cidade, esse bar demora a ser achado, mas quando se chega lá, não dá pra se arrepender. Mais pelos habitués famosos, pelas figuras peculiares, pelos boêmios das antigas, intelectuais discutindo futebol seriamente, e gente como a gente que descobre a cidade aos poucos.

O bar da Associação dos Amigos do Museu de Arte Moderna (sabiamente abreviado para Bar do Museu, ou ‘Clubinho’) tem história. Literalmente. Quando o prédio do Museu de Arte Moderna (MAM) era ali na na Rua 7 de Abril, ainda no final dos anos 40, havia um barzinho despretensioso atrelado a ele. Como o centro de São Paulo transbordava cultura na época, era nesse ponto da cidade onde os intelecutais discutiam e criavam e reclamavam, e…entornavam umas e outras.

O MAM cresceu e invadiu o Parque do Ibirapuera, e seus ‘órfãos’ ficaram inconformados, e ali se instalaram definitivamente, abandonando o Museu e adquirindo essa sede que funciona no mesmo lugar desde o final dos anos 70.

Além de ser uma lenda viva da cidade pelas histórias que acumula, o ambiente retrô e a decoração da época têm lá seu charme. Há também um espaço para exposições de obras de arte e vernissages. E de um lado, você consegue admirar o Copan, e do outro, o Terraço Itália. Para não se perder e chegar mal-humorado para a primeira cerveja (ou whisky, bebida mais comum por ali), dê uma olhada nos mapas aqui e siga as flechas sem erro.

Na última vez que Sampaist esteve no lugar, o que chamou mais atenção foi a presença de um músico que era uma mistura de seresteiro com Jorge Ben, um verdadeiro menestrel “voz e violão”. Segundo os ‘locais’, esse músico tem uma biografia bem peculiar. Dizem que o nome dele é ‘Diniz’ e que foi jogador do Fluminense na década de 70, e que hoje está perdido pelo centro de São Paulo, cantando para tirar uns trocados. Dizem também, que ele vai gravar um DVD ( !!! ) por lá mesmo, nesse sábado!

Nós vamos tentar saber mais sobre esse carioca perdido na cidade. Alguém aí se lembra de um jogador chamado Diniz?

O Bar do Museu fica na Rua José Paulo Mantovani Freire (altura do número 324 da avenida Ipiranga), Bloco C // O horário de funcionamento é de seg a sab a partir das 17:00 horas e a entrada só é permitida até as 21:00 horas, por norma do condomínio do edifício // Apesar do horário de entrada, não há hora para sair.

Foto do site do Bar do Museu



One Response to “A Volta do Boêmio Misterioso”

  1. Estou adorando esse site! Parabéns!