Mortes na Grande São Paulo

Delegacia SBC

armas.jpg Uma emboscada resultou em 13 mortos na manhã desta segunda-feira em São Bernardo do Campo. Segundo informações prestadas pelo delegado seccional de SBC, Marco Antônio Pereira, uma ordem vinda de dentro do sistema penitenciário do Estado de São Paulo exigia a morte de 5 a 15 funcionários do Centro de Detenção Provisória da cidade em um prazo de dez dias. “A pressão veio de dentro das cadeias. Eles estavam preparados para matar ou morrer”, afirmou o delegado em entrevista coletiva presenciada pelo Sampaist.

O delegado afirmou que a emboscada vinha sendo planejada há mais de 15 dias e o Departamento de Inteligência da Polícia interceptou a tramitação dos bandidos. De posse da informação de que o ataque poderia acontecer, a polícia colocou postos de observação nas redondezas do CDP de São Bernardo e passou a monitorar a movimentação dos criminosos.

Os policiais foram informados de que três agentes seriam executados após o expediente, em um ponto de ônibus da região. Assim, eles conseguiram armar um “contra-ataque” e evitar a morte dos policiais. O confronto que resultou na morte de 13 suspeitos e na prisão de outros cinco ocorreu por volta das 7 horas da manhã, quando os agentes se dirigiam ao ponto de ônibus.

No momento em que os policiais deram voz de prisão aos suspeitos, começou a troca de tiros. Durante a troca de tiros, um policial foi atingido no peito, mas não sofreu ferimentos porque estava com colete à prova de balas. Foram apreendidas na ação uma espingarda, sete revólveres calibre 38 e sete pistolas automáticas.

Leia também:
- Fracasso em ação do PCC suspendeu segundo ataque.
- Funcionários temem ataques e deixam de trabalhar.
- SBC foi escolhido porque não teve mortes suficientes durante onda de terror, diz delegado.

Fotos de Leandro M. Pinto no Flickr do Sampaist.



Comments are closed.